“Se outro amor surgir um dia, a valsa perde o ar”: um estudo sobre a variação (e mudança) da morfologia verbal em construções condicionais/“Se outro amor surgir um dia, a valsa perde o ar”:a study on verbal morphology variation (and change) in conditional

Rosane de Andrade BERLINCK (UNESP/Araraquara/CNPq)

Resumo


RESUMO: O estudo investiga um processo de variação e de mudança na morfologia verbal de construções condicionais potenciais no português brasileiro, em dados de cartas escritas entre os séculos XIX e XX, em diferentes regiões do país. Discute-se os resultados gerais desse percurso, tomando como contraponto conclusões sobre o fenômeno na sincronia atual (Brandão, 2018). Focalizando o século XX, busca-se identificar as combinações modo-temporais variantes na expressão da condicional potencial e os fatores que se correlacionam com o emprego de uma ou outra combinação,  e avaliar como os padrões de uso observados se colocam em relação ao quadro descrito no PB atual. A análise mostrou uma tendência à diminuição do uso do futuro simples do indicativo em apódoses, o papel de restrições morfolexicais na manutenção do futuro do subjuntivo, o papel de aspectos ligados ao gênero fonte de dados e o mapeamento dos usos segundo a proveniência dos dados.

PALAVRAS-CHAVE: Subjuntivo. Morfologia verbal. Condicionais. Variação e mudança linguísticas. Gênero epistolar

 

ABSTRACT: The study investigates a process of variation and change in the verbal morphology of potential conditional constructions in Brazilian Portuguese. The data come from letters written in 19th and 20th centuries, in different regions of the country. The general results of this path are discussed, taking conclusions about the phenomenon in the current synchrony as a counterpoint (BRANDÃO, 2018). Focusing on the twentieth century, we seek to identify the variant mode-tense combinations in the expression of potential conditional and the factors correlate with the use of one or the other combination, and to evaluate how the observed patterns of use are in relation to the picture described in the current BP. The analysis showed a tendency to decrease the use of indicative simple future in apodosis, the role of morphological-lexical restrictions in maintaining the future of the subjunctive, the role of aspects related to the data source genre and the mapping of uses according to the provenance of the data.

KEYWORDS: Subjunctive. Verbal morphology. Conditionals. Language variation and change. Epistolary genre.


Texto completo:

PDF - P. 88-107

Referências


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Érica Sousa de. Variação de uso do subjuntivo em estruturas subordinadas: do século XIII ao XX. Rio de Janeiro, 2010. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37 ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

BERLINCK, Rosane de Andrade. Entre subjuntivo e indicativo: para onde e até onde vai a variação? In: SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUESA, V, 2015. Lecce, Itália, 2015. (Comunicação).

BERLINCK, Rosane de Andrade. Subjuntivo vs indicativo em orações completivas: percurso diacrônico no português brasileiro In: CARRILHO, E.; MARTINS, A.M.; PEREIRA, S; SILVESTRE, J.P. (org.). Estudos linguísticos e filológicos oferecidos a Ivo Castro.1 ed. Lisboa: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, 2019. p. 217-245.

BERLINCK, Rosane de Andrade; BARBOSA, Juliana Bertucci; MARINE, Talita de Cássia. Reflexões teórico-metodológicas sobre fontes para o estudo histórico da língua. Revista da ABRALIN, v. 7, n.2, p. 169-195, 2008.

BERLINCK, Rosane de Andrade; BIAZOLLI, Caroline Carnielli; BALSALOBRE, Sabrina Rodrigues Garcia. Gêneros do jornal e estilo: (re)visitando a variação linguística. In: GÖRSKI, Edair Maria; COELHO, Izete Lehmkuhl; NUNES DE SOUZA, Christiane Maria. (org.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. Florianópolis: Editora Insular, 2014. p.261-279.

BIAZOLLI, Caroline Carnielli. Inter-relações de estilo, gênero, modalidade e norma na variação da posição de clíticos pronominais. São Paulo: Cultura Acadêmica Digital, 2018.

BITTENCOURT, Diana Liz Reis de. O uso do futuro do subjuntivo: variação e frequência. Interdisciplinar, v. 16, p.117-130, 2012.

BRANDÃO, Sílvia Maria. Variação em formas verbais: um estudo sociolinguístico da alternância entre futuro do pretérito e pretérito imperfeito do indicativo no português paulista. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado – Letras) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2015

BRANDÃO, Sílvia Maria. Alternância verbal em construções condicionais: um fenômeno variável? Dissertação de Mestrado (Linguística e Língua Portuguesa). – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2018.

CÂMARA Jr., Joaquim Mattoso. Estrutura da Língua Portuguesa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1970.

CASTILLO GÓMEZ, Antonio. Entre la pluma y la pared: una historia social de la escritura en los Siglos de Oro. Madrid: Akal, 2006.

COELHO, Izete Lehmlekuhl; NUNES DE SOUZA, Christiane Maria. Uma proposta metodológica para o tratamento da variação estilística em textos escritos. In: GÖRSKI, Edair Maria; COELHO, Izete Lehmkuhl; NUNES DE SOUZA, Christiane Maria (org.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. Florianópolis: Editora Insular, 2014. p.281-301.

DOMINGOS, Rosemary de Fátima de Assis. A influência do contexto (ir)realis na variação do pretérito imperfeito dos modos indicativo e subjuntivo. Working Papers em Linguística, n.8, p.93-108, 2004.

FROSCH, Caren A.; BYME, Ruth M.J. Causal conditionals and counterfactuals. Acta psychologica, v.141, n.1, p.54-66, 2012.

GERALDI, João Wanderley. Se a semântica fosse também pragmática...ou, para uma análise semântica dos enunciados condicionais. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas,1978.

GOLDBERG, Adele. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: University Press, 1995.

GOLDBERG, Adele (ed.). Conceptual structure, discourse and language. Stanford: CSLI Publications, 1996.

GONÇALVES, Sebastião Carlos Leite. Banco de dados Iboruna: amostras eletrônicas do português falado no interior paulista. 2007. Disponível em: http://www.alip.ibilce.unesp.br/iboruna.

GRYNER, Helena. Consecutio temporum: tendências em conflito no complexo condicional. Revista Diacrítica, Braga, n.22.1, p. 9-24, 2008.

GUY, Gregory. Variation in the group and the individual: the case of final stop deletion. In: LABOV, William (ed.). Locating Language in Time and Space. New York: Academic Press, 1980. p.1-36

HIRATA-VALE, Flávia Bezerra de Menezes. Articulação de orações no português escrito no Brasil: as orações condicionais. SCRIPTA, Belo Horizonte, v.5, n.9, p.126-142, 2001.

HYMES, Dell. On Communicative Competence. In: PRIDE, John B; HOLMES, Janet (ed.). Sociolinguistics: Selected Readings. Harmondsworth: Penguin, 1972. p.269-293.

IPPOLITO, Michela. Subjunctive Conditionals: a linguistic analysis. Cambridge: MIT Press Scholarship Online, 2014.

LABOV, William. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008 [1972].

LAVANDERA, Beatriz. Variación y significado. Buenos Aires: Lachette, 1984.

LEÃO, Angela Vaz. O período hipotético iniciado por “se”. Belo Horizonte: Imprensa da UFMG, 1961.

LEBLANC, Carmem L. Tracing a morphosyntactic change in Quebec French: the non-standard conditional in si-clauses. Journal of French Language Studies, v.20, n. 2, p.151-169, 2010.

LEVSHINA, Natalia. How to do Linguistics with R: data exploration and statistical analysis. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2015.

LOPES, Célia Regina dos Santos (org.). A Norma Brasileira em construção: fatos lingüísticos em cartas pessoais do século XIX. 1. ed. Rio de Janeiro: Pós-Graduação em Letras Vernáculas/FAPERJ, 2005.

MARTÍNEZ-ARBELAIZ, Asunción. The Syntax and Semantics of Conditional Clauses: evidence from Spanish and Basque. 1997. Thesis (PhD) – Cornell University, Cornell, 1997.

MARTINS, Marco Antonio; ABRAÇADO, Jussara (org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015.

MEJÍAS-BIKANDI, Errapel. Conditionals sentences and mood in Spanish. Journal of Pragmatics, v. 41, n. 1, p.163-172, 2009.

MILROY, Lesley; GORDON, Matthew. Sociolinguistics: method and interpretation. 4. ed. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

NETA, Ana Alves. O uso de formas do indicativo por formas do subjuntivo no português brasileiro. Estudos Linguísticos, v. 35, p.258-267, 2006.

NEVES, Maria Helena de Moura. As construções condicionais. In: NEVES, Maria Helena de Moura (org.). Gramática do Português Falado. São Paulo: Humanitas/FFCLCH/USP, Campinas: Editora da Unicamp, 1999. p. 497-544. (v. VII: Novos Estudos).

NEVES, Maria Helena de Moura. A Gramática do Português revelada em textos. São Paulo, Editora UNESP, 2018.

NEVES, Maria Helena de Moura; BRAGA, Maria Luiza. Hipotaxe e gramaticalização: uma análise das construções de tempo e de condição. D.E.L.T.A., v. 14, n. 3 (esp.), p. 191-208, 1998.

NEVES, Maria Helena de Moura; BRAGA, Maria Luiza. As construções hipotáticas/adverbiais. In: NEVES, Maria Helena de Moura (org.). A construção das orações complexas. São Paulo: Contexto, 2016. p.123-166. (v. 5: Gramática do português culto falado no Brasil).

OLIVEIRA, Fernando Augusto de Lima; SILVA, Priscila Rufino da; PAULA, Aldir Santos de. A alternância entre o futuro do pretérito e o pretérito imperfeito do indicativo em construções hipotéticas na fala de maceioenses. Letrônica, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 248-268, jan./jul., 2013.

PIMPÃO, Tatiana. Mapeamento do uso variável do modo subjuntivo no português do Brasil. Working Papers em Linguística, vol. 16, n.1, jan./jul., p.120-141, 2015.

POPLACK, Shana; TORRES-CACOULLOS, Rena.; DION, Nathalie; BERLINCK, Rosane de Andrade; DIGESTO, Salvatore; LACASSE, Dora; STEUCK, Jonathan. Variation and grammaticalization in Romance: a cross-linguistic study of the subjunctive. In: AYRES-BENNETT, Wendy; CARRUTHERS, Janice (ed.). Manuals in Linguistics: Romance Sociolinguistics. Berlin, Boston: De Gruyter, 2018. 217-252. https://doi.org/10.1515/9783110365955-009

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2018. Disponível em: https://www.R-project.org/.

SANKOFF, David. Sociolinguistics and syntactic variation. In: NEWMEYER, Frederick (ed.). Linguistics: the Cambridge survey. Cambridge: Cambridge University Press, 1988. p.140-161. (v. IV: Language: the socio-cultural context).

SCHERRE, Maria Marta.; DIAS, Edilene Patrícia; ANDRADE, Carolina.; MARTINS, Germano Ferreira. Variação dos pronomes “tu” e “você”. In: MARTINS, Marco Antonio; ABRAÇADO, Jussara (org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 133-172.

SIMÕES, José da Silva; KEWITZ, Verena. Traços linguístico-discursivos em corpora do Português Brasileiro. Estudos Linguísticos, v.45, p.1018-1027, 2006.

SOUSA, Fernanda Cunha. A variação de usos entre pretérito imperfeito e futuro do pretérito do indicativo na expressão de hipótese. Gatilho, v. 6, p. 1-16, 2007. (Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística, UFJF).

SWEETSER, Eve. Conditionals. From etymology to pragmatics: metaphorical and cultural aspects of semantic structure. New York/Port Chestesr/Melbourne/Sydney: Cambridge University Press, 1990.

TAPAZDI, Judit.; SALVI, Giampaolo. A Oração Condicional no Português Falado em Portugal e no Brasil. DELTA [on-line], v.14, n. 3 (esp.), p. 255-267, 1998. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44501998000300017.

TESCH, Leila Maria. A Variação entre as formas do Futuro do Pretérito e Pretérito Imperfeito do Indicativo na Fala Capixaba. PERcursos Linguísticos, Vitória, v.2, n.1, p. 89-109, 2011.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. O discurso do uso do pretérito imperfeito do indicativo no Português. Caderno de Estudos Linguísticos, n. 12, p. 61-98, 1987. Disponível em http://www.iel.unicamp.br/revista/index.php/cel/article/viewFile/3268/2745.

VIANNA, Juliana S.; LOPES, Célia Regina dos Santos. Variação dos pronomes “nós” e “a gente”. In: MARTINS, Marco Antonio; ABRAÇADO, Jussara (org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 109-131.

VIEIRA, Sílvia Rodrigues. Variação estilística e ordem dos clíticos pronominais: a influência dos gêneros textuais e dos veículos jornalísticos. In: GÖRSKI, Edair Maria; COELHO, Izete Lehmkuhl; NUNES DE SOUZA, Christiane Maria (org.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. Florianópolis: Editora Insular, 2014. p.281-301.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMANN, Winfred P.; MALKIE, Yakov (ed.). Directions for Historical Linguistics. Austin: Texas University Press, 1968. p. 95-188. [Capítulo publicado em português no livro Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução da edição original de 1968, por Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Guavira Letras