Crenças e atitudes linguísticas acerca dos sequenciadores aí, daí e então na Cidade de Goiás / Creencias y actitudes linguísticas acerca de los secuenciadores aí, daí y então en la Ciudad de Goiás

Marília Silva VIEIRA (UEG/Cora Coralina)

Resumo


RESUMO: Com base na interface entre a Sociolinguística (LABOV, 1978, 2008 [1972], 2001; LAVANDERA, 1978)  e as teorias de gramaticalização (HOPPER; TRAUGOTT, 1991; GIVÓN, 1955), é possível considerar que aí, daí e então, enquanto sequenciadores textuais, constituem uma variável no domínio da causalidade referencial (SWEETSER, 2001). Nesse sentido, o presente trabalho visa averiguar se o uso intercambiável dessas formas gera diferenças semânticas e estilísticas, e se tais diferenças estariam atreladas a significados sociais (ECKERT, 2012). Para isso, foram utilizados excertos de fala de uma informante da Cidade de Goiás, a fim de analisar crenças e atitudes de alunos do terceiro ano do Ensino Médio acerca dos três sequenciadores de causalidade. A partir de um teste de percepção, identificaram-se correlações entre características de competência, integridade pessoal e atratividade social (BOTASSINI, 2015) e o uso das formas, sobretudo no que tange a então, associado à imagem de um falante culto.

PALAVRAS-CHAVE: Crenças. Atitudes. Sequenciadores. Cidade de Goiás.

 

RESÚMEN: Basado en la interfaz entre la Sociolinguística (LABOV, 1978, 2008 [1972], 2001; LAVANDERA, 1978)  y las teorías de la gramaticalización (HOPPER;TRAUGOTT, 1991; GIVÓN, 1955), es posible considerar que aí, daí y então constituyen una variable en el dominio de la causalidad (SWEETSER, 2001). Así, la presente investigación tiene como objetivo analisar si el uso intercambiable de esas formas genera diferencias semánticas, y si esas diferencias estarían atreladas a significados sociales (ECKERT, 2012). Para eso, se utilizaron extratos de habla de una informante de la Ciudad de Goiás para investigar creencias y actitudes de alumnos del tercer año de la Ensenãnza Secundaria, acerca de aí, daí y então como secuenciadores de causalidad. A partir de una prueba de percepçión, fueron identificadas correlaçiones entre características de competencia, integridad personal y atractividad social (BOTASSINI, 2015) y el uso dos secuenciadores, sobretudo a respecto de então, asociado a la imagen de un hablante culto.

PALABRAS-CLAVE: Creencias. Actitudes. Secuenciadores. Ciudad de Goiás.


Texto completo:

PDF - P. 61-73

Referências


REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Maria José Aparecida de. Etudes sur les atitudes linguistiques au Brésil. 1979. 692f. Tese (Doutorado) – Universidade de Montreal, Montreal, 1979.

ALVES, Maria Isolete Pacheco Menezes. Atitudes linguisticas de nordetisnos em São Paulo: uma abordagem previa. 1979. 220 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP.

BOTASSINI, Jaqueline Ortelan Maia. Avaliação dialetal por meio da técnica de medição indireta. Revista Línguas & Letras, v. 14, n. 26, 2013. [21]p.

BOTASSINI, Jaqueline Ortelan Maia. A importância dos estudos de crenças e atitudes para a Sociolinguística. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, v. 18, n.1, 2015, p. 102-131, 2015.

CHOMSKY, N. Knowledge of language: its nature, origin and use. New York: Praeger, 1986.

ECKERT, Penelope; McCONNEL-GINET, Sally. Comunidades de práticas lugar onde cohabitam linguagem, gênero e poder [1992]. Tradução: Branca Falabella Fabrício. In: OSTERMANN, Ana Cristina; FONTANA, Beatriz (org.) Linguagem, gênero e sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola, 2010. [cap. 6]

ECKERT, P. Three waves of variation study: the emergence of meaning in the study of sociolinguistic variation. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, n. 41, p. 87-100, 2012.

FREITAG, Raquel Me. Prefácio: Atitudes e identidades linguísticas: muito chão pela frente. In: CARDOSO, Denise Porto. Atitudes linguísticas e avaliações subjetivas de alguns dialetos brasileiros. São Paulo: Blucher, 2015. p. 3-8.

GRIMES, Barbara F. Atitudes linguísticas: identidade, diferenciação e sobrevivência na nuapés. Tradução de Edith Maria A. G. de O. Machado. Brasília: Instituto Linguístico de Verão, 1983.

GIVÓN, T. Functionalism and Grammar. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1995.

HOPPER, P. J; TRAUGOTT, Elizabeth. Grammaticalization. Cambridge: University Press, 1993.

LABOV, William. Language in the inner city. Philadelphia. Univivesity of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, William. Sociolinguistique. Paris: Les Éditions de Minuit, 1976.

LAVANDERA, B. Where does the sociolinguistic variable stop? Language in society, v. 7, p. 171-182, 1978.

LABOV, William. Principles of linguistic change: social factors. Oxford: Blackwell, 2001.

LAMBERT, William; LAMBERT, Wallace E. Psicologia Social. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

SANTOS, Emmanuel. O adolescente e a percepção do valor de variantes linguísticas. 1973. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1973.

SANTOS, Emmanuel. A transmissão ao educando de crenças e atitudes linguísticas escolares. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980.

SWEETSER, E. Modality. In: SWEETSER, E. From etimology to pragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 49-75.

VIEIRA, Marília S. Aí, daí e então em Campo Grande e São Paulo: análise sociofucionalista no domínio da causalidade. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo. São Paulo, São Paulo, 2016.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMANN, Winfred P.; MALKIE, Yakov (ed.). Directions for Historical Linguistics. Austin: Texas University Press, 1968. p. 95-188. [Capítulo publicado em português no livro Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução da edição original de 1968, por Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.]


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Guavira Letras