'Acho vagamente que não sou bem eu': o retrato fotográfico e a emergência da subjetividade em Ana Cristina Cesar / Acho vagamente que não sou bem eu: the photographic portrait and the emergence of subjectivity in Ana Cristina Cesar

Cristina Oliveira RAMOS (Universidade do Porto)

Resumo


RESUMO: Este ensaio visa aproximar, discutindo e analisando, dois retratos fotográficos – um nu parcialmente velado (CESAR, 2016, p. 41) e um outro onde o rosto é o elemento-chave central (CESAR 2016, p. 104) –, de dois textos líricos de Ana Cristina Cesar: “Anônimo” (CESAR, 2013, p. 28) e “Poema óbvio” (CESAR, 2013, p. 172), que se concentram nas questões da dificuldade de definição e de delimitação do self (GARCIA, 2010). Desta forma, evidenciar-se-á a rede de ligações existente entre as esferas poética e iconográfica da autora (FERRAZ, 2016), e explorar algumas das consequências que daí advêm para a assunção da sua subjetividade, procurando demonstrar que, mais do que apenas fornecer uma imagem referencial da poeta e constituir um memento mori – para aludir à problematização de Susan Sontag (SONTAG, 2012) –, a fotografia, não condicionando, acompanha e sublinha a sua existência estética.

PALAVRAS-CHAVE: Ana Cristina Cesar. Subjetividade. Retrato. Self.

 

ABSTRACT: This essay seeks to approach, by discussing and analyzing, two photographic portraits – a partial dissimulated nude (CESAR, 2016, p. 41) and another one, that has the face as the main key factor (CESAR, 2016, p. 104) –, of two Ana Cristina Cesar’s poems: Anônimo” (CESAR, 2013, p. 28) and “Poema óbvio” (CESAR, 2013, p. 172), which emphasizes the difficulty of the definition and delimitation of the poetic self. That way, I’ll try to highlight the connections between the author’s poetic and iconographic spheres (FERRAZ, 2016), and explore some of the consequences that emerge from the assumption of her subjectivity, trying to demonstrate that, more than provide a reference image of the poet and establish a memento mori – to rescue Susan Sontag’s problematization (SONTAG, 2012) –, photography, not conditioning, attends and underlines her aesthetic existence.

KEYWORDS: Ana Cristina Cesar. Subjectivity. Portrait. Self.

 

RESUMEN: Este ensayo pretende aproximar, a través de la discusión y el análisis, dos retratos fotográficos – un desnudo parcialmente velado (CESAR, 2016, p. 41)  y otro donde el rostro es el elemento clave central (CESAR 2016, p. 104) – a partir de dos textos líricos de Ana Cristina Cesar: “Anónimo” (CESAR, 2013, p. 28) y “Poema obvio” (CESAR, 2013, p. 172), que se centran en cuestiones sobre la dificultad para definir y delimitar el self (GARCIA, 2010). De este modo, se destacará la red de vínculos entre la esfera poética e iconográfica de la autora (FERRAZ, 2016), y se explorarán algunas de las consecuencias que surgen de la asunción de su subjetividad, tratando de demostrar que, más que simplemente proporcionar una imagen referencial de la poeta y constituir un memento mori – para aludir a la problematización de Susan Sontag (SONTAG, 2012) – la fotografía, no condicionando, acompaña y resalta su existencia estética.

PALABRAS CLAVE: Ana Cristina Cesar. Subjetividad. Retrato. Self.


Texto completo:

PDF - P. 463-478

Referências


REFERÊNCIAS

AGAMBEN, Giorgio. Difference and repetition: on Guy Debord’s films. In: Guy Debord and the situationist international: texts and documents. Massachusetts: MIT Press, 2002. p. 313-319. Disponível em: https://1000littlehammers.files.wordpress.com/2010/02/mcdonough_guy_debord_the_situationist.pdf. Acesso em 30 jan. 2019.

ALMEIDA, Bernardo Pinto de. Imagem da fotografia. Lisboa: Relógio d’Água, 2014.

AMARAL, Ana Luísa. Malmequeres e polígonos: auto-representação na poesia. In: MORÃO, Paula; CARMO, Carina Infante do (orgs.). Escrever a vida: verdade e ficção. Porto: Campo das Letras, 2008. p. 15-29.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Sousa. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2010.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Tradução de Manuela Torres. Lisboa: Edições 70, 1979.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: O rumor da língua. Tradução de António Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1987. p. 49-53.

BARTHES, Roland. Sade, Fourier, Loiola. Tradução de Maria de Santa Cruz. Lisboa: Edições 70, 1999.

BRUTA AVENTURA EM VERSOS. Direção de Letícia Simões. Artezanato Eletrônico, Matizar. Brasil: 2011. [DVD]. (76 min.), colorido.

CALVINO, Italo. A aventura de um fotógrafo. In: Aa. Vv. Toda a memória do mundo. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2014. p. 109-123.

CESAR, Ana Cristina. Correspondência incompleta. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999a.

CESAR, Ana Cristina. Depoimento de Ana Cristina Cesar no curso ‘Literatura de mulheres no Brasil’. In: Crítica e tradução. São Paulo: Ática, 1999b. p. 256-273.

CESAR, Ana Cristina. O poeta é um fingidor. In: Crítica e tradução. São Paulo: Ática, 1999c. p. 202-203.

CESAR, Ana Cristina. Inconfissões: fotobiografia de Ana Cristina Cesar. São Paulo: Instituto Moreira Salles. 2016.

CESAR, Ana Cristina. Poética, São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

EIDT, Laura. Toward a definition of ekphrasis in literature and film. In: Writing and filming the painting: ekphrasis in literature and film. Amesterdam: Rodopi, 2008. p. 9-26.

FERRAZ, Eucanaã. Este álbum de inconfissões. In: CESAR, Ana Cristina. Inconfissões: fotobiografia de Ana Cristina Cesar. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2016. p. 9-15.

FRIAS, Joana Matos. Coda: ekphrasis – 10 aporias. In: O murmúrio das imagens I: poéticas da evidência. Porto: Afrontamento, 2018a. p. 53-58.

FRIAS, Joana Matos. A poesia não é como a pintura. In: O murmúrio das imagens I: poéticas da evidência. Porto: Afrontamento, 2018b. p. 39-51.

FRIAS, Joana Matos. As palavras fotográficas. In: O murmúrio das imagens II: modos de ver [em] Ruy Cinatti. Porto: Afrontamento, 2018c. p. 275-286.

GARCIA, Tiago Sousa. Para uma poética da nudez: construção e exposição do self em Sylvia Plath e Ana Cristina Cesar. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2010. (Inédito).

GIL, José. Olhar e visão. In: A imagem-nua e as pequenas perceções: estética e metafenomenologia. Lisboa: Relógio d’Água, 1996. p. 47-59.

HEFFERNAN, James. Museum of words: the poetics of ekphrasis from Homer to Ashbery. Chicago: University of Chicago Press, 2004.

HELDER, Herberto. Photomaton & vox. Lisboa: Assírio & Alvim, 2013.

HORÁCIO. Arte poética. Tradução de R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Inquérito, 1984.

LEJEUNE, Philippe. Je est un autre: l’autobiographie de la littérature aux médias, Paris: Seuil, 1980.

MACHADO, Arlindo. A ilusão especular: uma teoria da fotografia. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2015.

MEDEIROS, Margarida. Fotografia e narcisismo: o auto-retrato contemporâneo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2000.

MEDEIROS, Margarida. Fotografia e verdade: uma história de fantasmas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

MENDES, Murilo. Poliedro. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972.

MORÃO, Paula. Retrato e auto-retrato – fronteiras e limites. In: BASÍLIO, Kelly et al. (org.). Concerto das artes. Porto: Campo das Letras, 2007. p.187-198.

MORICONI, Ítalo. Ana Cristina Cesar: o sangue de uma poeta. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1996.

NANCY, Jean-Luc. Au fond des images, Paris: Galilée, 2003.

NANCY, Jean-Luc. Le regard du portrait. Paris: Galilée, 2000.

PESSOA, Fernando. Textos de crítica e de intervenção. Lisboa: Ática, 1980.

PESSOA, Fernando. Obra essencial de Fernando Pessoa: poesia dos outros eus. Lisboa: Assírio & Alvim, 2007.

PIGNATARI, Décio. Depoimento. In: CAMPOS, Augusto de et al. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos (1950-1960). São Paulo: Brasiliense, 1965. p. 7.

RIBEIRO, Eunice. O autorretrato em literatura: ilustração e ruína. Limite, Extremadura, nº 9, p. 321-335, 2015.

RIBEIRO, Eunice. Poéticas do retrato. Diacrítica, Braga, nº 22-23, p. 265-322, 2008.

RIMBAUD, Arthur. Œuvres complètes. Paris: Gallimard, 2007.

SANTOS, David. Em busca do tempo disperso ou toda a memória do mundo em Daniel Blaufuks. In: Aa. Vv. Toda a memória do mundo. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2014. p.18-38.

SENA, Jorge de. Ensaio de uma tipologia literária. In: Dialéticas teóricas da literatura. Lisboa: Edições 70, 1977. p. 23-106.

SONTAG, Susan. Objetos melancólicos. In: Ensaios sobre fotografia. Tradução de José Afonso Furtado. Lisboa: Quetzal, 2012. p. 55-85.

SOURIAU, Étienne. La Correspondance des arts: éléments d’esthétique comparée. Paris: Flammarion, 1969.

SYNNOTT, Anthony. The body social: symbolism, self and society. Londres: Routledge, 1993.

TODOROV, Tzvetan. Introdução ao verosímil. In: Poética da prosa. Tradução de Maria de Santa Cruz. Lisboa: Edições 70, 1979. p. 95-102.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras