O Diabo da Igreja no Juízo Final, no Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente / The Devil of the Church in the Final Judgement, in the Auto da Barca do Inferno, by Gil Vicente

Eli Brandão da SILVA (UEPB), Ayanne Larissa Almeida de SOUZA (UEPB)

Resumo


RESUMO: Este trabalho analisa a figura do Diabo no Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, apresentando aspectos históricos e teológicos que contribuem para a construção e caracterização do perfil pavoroso do mal na obra, seu protagonismo como instrumento da Igreja na cena do Juízo Final, destacando interesses ideológicos subjacentes aos pecados condenatórios representados pela alegoria das personagens típicas. Trata-se de hermenêutica literária apoiada em aportes conceituais e históricos de Ricoeur, Delumeau, Le Goff, Cohn, Russel, Minois. Pode-se dizer que o Diabo do auto vicentino traduz teologicamente as conveniências históricas da Igreja e atua a seu serviço.       

PALAVRAS-CHAVE: Auto de Moralidade. Diabo. Igreja. Inferno. Idade Média.

 

ABSTRACT: This work analyses the character of the Devil in the work Auto da barca do Inferno, by Gil Vicente. It presents historical and theological aspects that contribute to the construction and characterization of the awful profile of the evil in the narrative. The Devil’s protagonism as tool of the Church during the moment of the Final Judgment highlights ideological interests that base the damning sins represented by the allegory of the usual characters. It is the literary hermeneutic based on conceptual and historical contributions of Ricoeur, Delumeau, Le Goff, Cohn, Russel, Minois. It is possible to affirm that the Devil of Vicente’s work theologically translates the historical conveniences of the Church and acts at its service.

KEYWORDS: Auto de Moralidade. Devil. Church. Hell. Middle Age.

 

 

RESUMEN: Este trabajo analiza la figura del Diablo en Auto da barca do Inferno, de Gil Vicente. Presenta aspectos históricos y teológicos que contribuyen para la construcción y caracterización de un perfil pavoroso  del mal dentro de la obra. El protagonismo del Diablo como instrumento de la Iglesia en la escena del Juicio Final destaca intereses ideológicos subyacentes a los pecados condenatorios presentados por las alegorías de los personajes típicos. Se trata de una hermenéutica literaria apoyada en aportes conceptuales e históricos de Ricoeur, Delumeau, Le Goff, Cohn, Russel, Minois. Se puede decir que el Diablo del auto vicentino traduce teológicamente las conveniencias históricas de la Iglesia y actúa a su servicio.

PALABRAS CLAVE:  Auto da Moralidade. Diabol. Iglesia. Infierno. Edad Media.


Texto completo:

PDF - P. 183-201

Referências


Bíblia Sagrada. João Ferreira de Almeida Atualizada online. SBB. Disponível em: http://biblia.com.br/joao-ferreira-almeida-atualizada/

CARVALHO, Leniran Rocha. O Diabo: Artifício do Bem na luta contra o Mal. Anais do III Encontro Estadual de História: Poder, Cultura e Diversidade – ST 06 – Poder, Cultura e Sociedade na Antiguidade e no Medievo. 2002. Disponível em: http://www.uesb.br/anpuhba/artigos/anpuh_III/leniran_rocha.pdf

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente – 1300-1800 – Uma cidade sitiada. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. Malleus Maleficarum – O martelo das Feiticeiras. Trad. de Paulo Fróes. 27. Ed. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 2015.

LE GOFF, Jacques. A civilização do Ocidente medieval. Tradução de José Rivair de Macedo. Bauru, SP: Edusc, 2005.

______. As raízes medievais da Europa. Tradução de Jaime A. Clasen. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

LE GOFF, Jacques. O homem medieval. Tradução de Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Editorial Presença, 1987.

______. O nascimento do purgatório. Tradução de Maria Fernanda Gonçalves de Azevedo. 2. ed. Lisboa: Editoria Estampa, 1995.

MINOIS, G. O Diabo: origem e evolução histórica. Lisboa: Terramar, 2003.

MOISÉS, Massaud. A Literatura Portuguesa. São Paulo: Cultrix, 1998.

MORAES, Gerson L. de. Os demônios de Santo Agostinho. Revista de Estudos Filosóficos e Históricos da Antiguidade, Campinas, UNICAMP, nº 30, 2016, p.171-190.

MURARO, Rose Marie. Introdução. In. KRANER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras. Trad. de Paulo Fróes, Rose Marie Muraro, Carlos Byington. 2ª edição. Rio de Janeiro: BestBolso, 2015.

NOGUEIRA, Carlos Roberto F. O diabo no imaginário cristão. São Paulo: Ática, 1986.

RUSSEL, Jeffrey Burton. Lúcifer – O Diabo na Idade Média. São Paulo: Madras, 2003.

VICENTE, Gil. Auto da barca do Inferno. Porto Alegre: L&PM, 2005.

BIBLIOGRAFIA

BASCHET, Jérôme. A civilização feudal – Do ano mil à colonização da América. Tradução de Marcelo Rede. São Paulo: Globo, 2006.

COHN, Norman. Cosmos, Caos e o mundo que virá – As origens das crenças no apocalipse. Tradução de Cláudio Marcondes. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BRANDÃO, Eli. O diabo na arte e no imaginário ocidental. In: BRANDÃO, Eli; FERRAZ, Salma; LEOPOLDO, R. N.; MAGALHÃES, A. C. (Orgs.). O demoníaco na literatura. Campina Grande: EDUEPB, 2012. pp. 277-290.

LEWIS, C. S. Alegoria do amor – um estudo da tradição medieval: São Paulo: É Realizações, 2012.

RICOEUR, Paul. A Metáfora Viva. Trad. Dion Davi MACEDO. São Paulo: Loyola, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras