As manifestações do sublime nas sete cabeças do dragão vermelho-bíblico / The manifestations of the sublime in the seven heads of the red-biblical dragon

John David Peliceri da SILVA (FAFICA/IMES), Nelson Luis RAMOS (UNESP/São José do Rio Preto)

Resumo


RESUMO: A figura do Diabo, ainda, é um enigma nas catacumbas discursivas sobre o mal. Na Bíblia, o Diabo é associado à imagem de um dragão vermelho que possui sete cabeças e dez chifres. Neste artigo, analisaremos as manifestações do sublime no dragão vermelho, na Bíblia (1990), em meio a suas sete cabeças discursivas – a retórica, o símbolo, a metafísica, o gênio, o mistério, a idiossincrasia e a mutação – e seus efeitos no contato com o ser humano, à luz de algumas passagens bíblicas, com o objetivo de elucidar identidades. Baseamo-nos nos estudos do sublime de Weiskel (1994), Kant (1995) e Burke (1996), bem como na ideia de identidade de Deleuze (1995) que procura enaltecer o sujeito em multiplicidade de identidades. Aplicando uma análise discursivo-textual, exporemos como as manifestações do sublime na figura do dragão vermelho atuam como oposição aos ideais teocêntricos, a partir da tentativa de introduzir identidades malignas no cerne do homem. No rastro, percebemos que as sete cabeças do dragão vermelho funcionam como grandezas em continuidade.

PALAVRAS-CHAVE: Dragão vermelho. Faceta (ou cabeça). Sublime. Identidade.

 

ABSTRACT: The figure of the Devil, still, is an enigma in the discursive catacombs on evil. In the Bible, the Devil is associated with the image of a red dragon that has seven heads and ten horns. In this article, we will analyze the manifestations of the sublime in the red dragon, in the Bible (1990), among its seven discursive heads - rhetoric, symbol, metaphysics, genius, mystery, idiosyncrasy and mutation - and their effects in the contact with the human being, in the light of some biblical passages, with the purpose of elucidating identities. We are based on studies of the sublime of Weiskel (1994), Kant (1995) and Burke (1996), as well as Deleuze's idea of identity (1995) that seeks to enhance the subject in multiplicity of identities. Applying a discursive-textual analysis, we will expose how the manifestations of the sublime in the figure of the red dragon act as opposition to theocentric ideals, from the attempt to introduce malignant identities in the core of the man. In the trace, we realize that the seven heads of the red dragon function as magnitudes in continuity.

KEYWORDS: Red Dragon. Facet (or head). Sublime. Identity.

 

 

RESUMEN: La figura del Diablo, aún, es un enigma en las catacumbas discursivas sobre el mal. En la Biblia, el Diablo se asocia a la imagen de un dragón rojo que tiene siete cabezas y diez cuernos. En este artículo, analizaremos las manifestaciones del sublime en el dragón rojo, en la Biblia (1990), en medio de sus siete cabezas discursivas - la retórica, el símbolo, la metafísica, el genio, el misterio, la idiosincrasia y la mutación - y sus efectos en el contacto con el ser humano, a la luz de algunos pasajes bíblicos, con el objetivo de elucidar identidades. Se basa en los estudios del sublime de Weiskel (1994), Kant (1995) y Burke (1996), así como en la idea de identidad de Deleuze (1995) que busca enaltecer al sujeto en multiplicidad de identidades. Aplicando un análisis discursivo-textual, expondremos cómo las manifestaciones del sublime en la figura del dragón rojo actúan como oposición a los ideales teocéntricos, a partir del intento de introducir identidades malignas en el corazón del hombre. En el rastro, percibimos que las siete cabezas del dragón rojo funcionan como grandes en continuidad.

PALABRAS CLAVE: Dragon Rojo. Cara (o cabeza). Sublime. Identidad.


Texto completo:

PDF - P. 232-247

Referências


ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos do Estado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1992.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1988.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas ideias do belo e do sublime. Campinas: Papirus, 1996.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil Platôs – capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do Juízo. Trad. Valério Rohden. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Argumentação e Linguagem. São Paulo: Cortez, 1987.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Tradução de Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

BÍBLIA. Português. BÍBLIA SAGRADA: Antigo Testamento e Novo Testamento. São Paulo: Edições Paulinas, 1990.

SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica do Belo. Tradução. Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

OXFORD. The Oxford english dictionary, vol. XI. Oxford: Oxford University Press, 1998, p. 658.

WEISKEL, Thomas. O sublime romântico. Tradução de Patrícia Flores da Cunha. Rio de Janeiro: Imago, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras