O mito fáustico e o sujeito moderno: uma leitura de O gato e o Diabo, de James Joyce / The faustian myth and the modern subject: a reading of James Joyce’s, The cat and the Devil

Alessandra Paula RECH

Resumo


RESUMO: O presente artigo tem por objetivo refletir sobre o mito fáustico e o sujeito moderno a partir da leitura do conto O gato e o Diabo, de James Joyce. Tema recorrente, o pacto com o Diabo costuma ser subvertido no repertório popular. O Diabo traído pelo homem revela, inevitavelmente, as mudanças do sujeito moderno no período desenvolvimentista, características contempladas em Fausto, de Goethe, e Meu Fausto, de Valéry, na Literatura Ocidental. Berman, Baudrillard e Maffesoli integram o referencial teórico interdisciplinar.

PALAVRAS-CHAVE: James Joyce. Modernidade. Fausto. Literatura. Diabo.

 

ABSTRACT: This article aims to reflect on the faustian myth and the modern subject from the reading of James Joyce's, The cat and the devil. Recurring theme, the pact with the Devil is usually subverted in the popular repertoire. The Devil betrayed by man, inevitably, reveals the changes of the modern subject in the developmental period, characteristics contemplated in Goethe's Faust, and My Faust, by Valéry, in Western Literature. Berman, Baudrillard and Maffesoli integrate the interdisciplinary theoretical framework.

KEYWORDS: James Joyce. Modernity. Fausto. Literature. Devil

 

RESUMEN: El presente artículo tiene por objetivo reflexionar sobre el mito fáustico y el sujeto moderno a partir de la lectura del cuento El gato y el Diablo, de James Joyce. Tema recurrente, el pacto con el Diablo suele ser subvertido en el repertorio popular. El diablo traicionado por el hombre revela, inevitablemente, los cambios del sujeto moderno en el período desarrollista, características contempladas en Fausto, de Goethe, y Mi Fausto, de Valéry, en la Literatura Occidental. Berman, Baudrillard y Maffesoli integran el referencial teórico interdisciplinario.

PALABRAS CLAVE: James Joyce. Modernidad. Fausto. Literatura. Diablo


Texto completo:

PDF - P. 154-163

Referências


ANDERSEN, Hans Christian. O moinho do Diabo e outros contos. Tradução de Salomé de Almeida. Porto: Livraria Figueirinhas, 1947.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1995.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar. A aventura da modernidade. Tradução de Carlos Felipe Moisés e Ana Maria Ioriatti. São Paulo: Editora Schwarcz, 1986.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto. Tradução de Jenny Klabin Segall. São Paulo: Editora 34, 2016.

JOYCE, James. O gato e o Diabo. Tradução de Lygia Bojunga. São Paulo, CosacNaify, 2012.

MAFFESOLI, Michel. O instante eterno. O retorno do trágico nas sociedades pós-modernas. Tradução de Rogério de Almeida, Alexandre Dias. São Paulo: Zouk, 2003.

MANN, Thomas. Doutor Fausto. Tradução de Herbert Caro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MARLOWE, Christofher. A trágica história do Doutor Fausto. Tradução de Luiz Antônio Aguiar. São Paulo: Difel, 2009.

VALÉRY, Paul. Meu Fausto. Tradução e notas de Lídia Maria Fachin e Sônia Maria Azevedo. Cotia: Ateliê Editorial, 2010.

TORREZANI, Alessandro. As faces do mal. Breve análise historiográfica da atuação do diabo no imaginário medieval. História política e debate: linguagens, conceitos e ideologias. p.1-8. Vitória, Anais do VIII Encontro de História da Anpuh, 2010.

TREVOR-ROPER, Hugh. Popular. in Antrophos-Homem, v.5, Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1985.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras