A absurdidade do lugar-comum: Ionesco e Tavares, em comu[m]nidade no riso literário / The absurdity of the commonplace: Ionesco and Tavares, in common in literary laughter

Susana VIEIRA (Universidade de Nova Lisboa), Rosa FINA (Universidade de Lisboa)

Resumo


RESUMO: Ionesco e Tavares revelam-nos na sua produção literária, de que destacaremos A cantora careca e A mulher-sem-cabeça e o homem-do-mau-olhado, respetivamente, planos  (Deleuze & Guattari) que se abrem e nos desvelam o absurdo da existência que provoca o riso, mesmo quando o do escárnio ou o do pasmo. O tecido em que (des)integram a realidade literária resiste num jogo puerilmente construído na raiz dura da crueldade. Na fundação da palavra ligeira e da ideia invariável, percebe-se a fragilidade que as começa, iniciando-se o desmoronamento da logicidade, afinal, esvaziada ou inexistente, se todo o objetivo pode ser ciclicamente reiniciado (Camus e Sísifo), remediando-se em algo mais antes de novo se insuflar, até à perturbante “tragédia fria do nada absoluto” (Urbano Tavares Rodrigues). Ceia será outro suporte teórico na análise do conceito de absurdidade, para se concluir que numa realidade pós-guerra não se poderia (des)montar o texto de outro modo.

PALAVRAS-CHAVE: Absurdidade. Literatura. Existência. Linguagem.


ABSTRACT: Ionesco and Tavares reveal to us in their literary production, of which we will emphasize The bald singer and The woman without head and the man of the bad eye, respectively, plans (Deleuze & Guattari) that open up and reveal the absurd of existence that provokes laughter, even when that of derision or that of astonishment. The fabric in which they (des)integrate the literary reality resists in a childishly constructed game at the root of cruelty. In the foundation of the slight word and the invariable idea, one perceives the fragility that begins with the beginning of the collapse of the logicity, after all, emptied or nonexistent, if the whole objective can be cyclically restarted (Camus and Sisyphus), remedying in something else before it again inflates, to the disturbing “cold tragedy of absolute nothingness” (Urbano Tavares Rodrigues). Supper will be another theoretical support in the analysis of the concept of absurdity, to conclude that in a post-war reality one could not (dis)assemble the text in another way.

KEYWORDS: Absurdity. Literature. Existence. Language.


RESUMEN: Ionesco e Tavares se revelan en su producción literaria, de que destacaremos La cantante careca y La mujer-sin-cabeza y el hombre-del-mal-mirado, respectivamente, planes (Deleuze & Guattari) que se abren y nos desvelan el absurdo de la existencia que provoca la risa, incluso cuando el del escarnio o el del pasmo. El tejido en que (des)integran la realidad literaria resiste en un juego puerilmente construido en la raíz dura de la crueldad. En la fundación de la palabra ligera y de la idea invariable, se percibe la fragilidad que las comienza, iniciándose el desmoronamiento de la logicidad, después de todo, vaciada o inexistente, si todo el objetivo puede ser cíclicamente reiniciado (Camus y Sísifo), remediando en algo más antes de nuevo insuflarse, hasta la perturbadora “tragedia fría de la nada absoluto” (Urbano Tavares Rodrigues). La cena será otro soporte teórico en el análisis del concepto de absurdidad, para concluir que en una realidad posguerra no se podría (des)montar el texto de otro modo.

PALABRAS CLAVE: Absurdidad. La literatura. Existencia. Idioma.


Texto completo:

PDF - P. 394-403

Referências


CALINESCU, Matei. As 5 faces da modernidade. Lisboa: Vega, 1999.

CEIA, Carlos. Absurdo. E-dicionário de termos literários, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, s. p., 2009. Disponível em: edtl.fcsh.unl.pt/encyclopedia/absurdo. Acesso em: 29 jan. 2019.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Capitalismo e esquizofrenia 2: mil planaltos. Tradução e pref. de Rafael Godinho. Lisboa: Assírio & Alvim, 2007.

IONESCO, Eugène. A Cantora Careca. Tradução de Luís de Lima e pref. de Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Editorial Minotauro, s. d.

PINTO, Rodrigo Gomes de Oliveira. Anatomia do monstro: o vitupério de Francisco José Freire ao poema tragicómico. Gragoatá, Niterói, vol. 23, n. 47, p. 947-970, 2018.

PLATÃO. Fedro. Tradução, introd. e notas de José Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 2009.

TAVARES, Gonçalo M. Short movies. Alfragide: Editorial Caminho, 2011.

TAVARES, Gonçalo M. A mulher-sem-cabeça e o homem-do-mau-olhado. Lisboa: Bertrand Editora, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras