Macunaíma e o Diabo, em uma relação de vingança e sacrifício / Macunaima and the Devil in a relationship of revenge and sacrifice

Ellen dos Santos OLIVEIRA (UFS), Christina Bielinski RAMALHO (UFS)

Resumo


RESUMO: Neste trabalho analisamos a relação de Macunaíma, de Mário de Andrade, com o Diabo (na perspectiva bíblica) – motivada pelo desejo de vingança contra o peruano Venceslau Pietro Pietra – para o qual oferece um bode em um rito sacrificial em sua honra, ao som de cantigas populares, simbolizando a voz do povo no ritual. Nessa relação, Macunaíma é aquele que tem o pé do vingador, casando com o Diabo que só queria um pé para manifestar-se no homem, pro mal. Macunaíma, por preguiça, recusa o trabalho como sacrifício pacífico a Deus, mas sacrifica um bode, representando na cultura popular o mulato / mestiço, pelo seu tão sagrado muiraquitã, que tem um valor simbólico primitivo. Para desfecho trágico da trama, um boi é levado pela sombra da morte, simbolizando o povo trabalhador sacrificado involuntariamente ao Diabo.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura brasileira. Modernismo. Mario de Andrade (1893-1945). Macunaíma (1928).


ABSTRACT: In this paper we analyze the relationship between Macunaíma, Mário de Andrade, and the Devil (from a biblical perspective) - motivated by the desire for revenge against the Peruvian Wenceslas Pietro Pietra - for which he offers a goat in a sacrificial rite in his honor, to the sound of popular songs, symbolizing the voice of the people in the ritual. In this relationship, Macunaíma is the one who has the avenger's foot, marrying the Devil who only wanted one foot to manifest in man, for good. Macunaíma, for laziness, refuses to work as a peaceful sacrifice to God, but sacrifices a goat, representing in popular culture the mulatto / mestizo, for his so sacred muiraquitã, which has a primitive symbolic value. For the tragic outcome of the plot, an ox is carried by the shadow of death, symbolizing the working people who are involuntarily sacrificed to the Devil. 

KEYWORDS: Brazilian literature. Modernism. Mario de Andrade (1893-1945). Macunaima (1928).

 

RESUMEN: En este artículo analizamos la relación entre Macunaíma, Mário de Andrade y el Diablo (desde una perspectiva bíblica), motivado por el deseo de venganza contra el peruano Wenceslao Pietro Pietra, por el cual ofrece una cabra en un rito de sacrificio en su honor, al sonido de canciones populares, simbolizando la voz de las personas en el ritual. En esta relación, Macunaíma es quien tiene el pie del vengador, casándose con el Diablo que solo quería que un pie se manifestara en el hombre, para siempre. Macunaíma, por pereza, se niega a trabajar como un sacrificio pacífico a Dios, pero sacrifica una cabra, que representa en la cultura popular al mulato / mestizo, por su muiraquitã tan sagrado, que tiene un valor simbólico primitivo. Para el trágico resultado de la trama, un buey es llevado por la sombra de la muerte, simbolizando a los trabajadores que se sacrifican involuntariamente al diablo.

PALABRAS CLAVE: Literatura brasileña. Modernismo Mario de Andrade (1893-1945). Macunaima (1928).

 


Texto completo:

PDF - P. 202-221

Referências


ABREU, Marilande Martins. Sacrifício ritual, laços sociais e sexualidade. s.n. Tese de doutorado apresentado ao Instituto de filosofia e Ciências humanas. Campinas / São Paulo: UNICAMP, 2013.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Texto revisitado por Telê Porto Ancona Lopez. Belo Horizonte: ed. Itatiaia, 1986.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Claudia Renate Gonçalves. 4ª reimp. Belo Horizonte: Ed.UFMG, 2007.

BÍBLIA. Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição corrigida e revisada, fiel ao texto original. Anotações de fé de Edir Macedo. Editora Horebe: São Paulo, 2017.

BOSI, Alfredo. História Concisa da literatura brasileira. 43.ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2006.

CAMPBEL, Joseph. O poder do mito. Joseph Campbell, com Bill Moyers; org. por Betty Sue Flowers; tradução de Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990.

_______. O herói de mil faces. 10.ed. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Cultrix/Pensamento, 1997.

CANDIDO, Antonio. Romantismo, negatividade, modernidade. Conferência de recebimento do Prêmio Internacional Alfonso Reyes México: Facultad de Filosofia y Letras, 2005.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 10.ed. São Paulo: Ediouro, 1998.

CEIA, Carlos. “Rapsódia”. In. E-Dicionário de termos literários de Carlos Ceia. 2010. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/encyclopedia/rapsodia/ Último acesso em jan./2019.

D’AMBRÓSIO, Oscar. Mito e símbolos em Macunaíma. São Paulo: Selinunte Editora, 1994.

ELIADE, Micea. O sagrado e o profano. Tradução de Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

GENNEP, Arnold Van. Os ritos de passagem: estudo sistemático dos ritos da porta e da soleira, da hospitalidade, da adoção, gravidez e parto, nascimento, infância, puberdade, iniciação, coroação, noivado, casamento, fenerais, estações, etc. Tradução de Mariano Ferreira. Apresentação de Roberto da Matta. 3.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

LOPES, Telê Ancona. Mariodeandradiando. São Paulo: Editora Hucitec, 1996.

MACEDO, Edir. Orixás, caboclos e guias: deuses ou demônios? Rio de Janeiro: Universal, 1996.

MACEDO, Edir. O perfeito sacrifício: o significado espiritual do dízimo e ofertas. Rio de Janeiro: Universal, 2001.

PATAI, Raphael. O mito e o homem moderno. Tradução de Octavio Mendes Cajado. São Paulo: Editora Cultrix, 1974.

PRADO, Paulo. Retrato do Brasil: ensaio sobre a tristeza brasileira. 2.ed. São Paulo: IBRASA; Brasília: INL, 1981.

PERRONE-MOYSÉS, Leila. Vira e mexe, nacionalismo: paradoxo do nacionalismo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

RAMALHO, Christina. O mal-estar em Eu e Os atuais retratos da miséria humana. In. SANTOS, Josalba Fabiana dos; et al. Sombras do mal na Literatura. Maceió: EDUFAL, 2011, p.187-207.

SANTIAGO, Silviano. Na malha das letras: ensaios. Rio de Janeiro: Roco, 2002.

SANTOS, Eurico. “A preguiça”, “A Saúva Rei do Brasil”, e “Uma formiguinha indesejável e com dupla nacionalidade”. In. SANTOS, Eurico. Histórias, Lendas e Folclore dos nossos bichos. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1957, págs. 91-96, 181-186, 241-246.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. A invenção do “ser negro”: um percurso das ideias que naturalizaram a inferioridade dos negros. São Paulo: Educ/Fapesp; Rio de Janeiro: Pallas, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras