O diabo de nosso tempo: uma análise de Doutor Fausto, de Thomas Mann / The devil of our time: an analysis of Doctor Faust, by Thomas Mann

Pauliane AMARAL (UFMS/Três Lagoas)

Resumo


RESUMO: Esse artigo centra-se na leitura do romance Doutor Fausto, de Thomas Mann, para analisar a representação do diabo nessa obra, considerando as origens do mito de Fausto na literatura. A análise é centrada sobretudo no capítulo XXV, em que o compositor Adrian Leverkühn narra seu encontro com o Senhor das Trevas. Nesse romance, que também pode ser lido como uma afirmação política e ético do autor, Mann revisitou um dos maiores mitos da cultura alemã para escrever um manifesto literário contra o regime nazista. Lida como metáfora, a trajetória decadente de Leverkühn leva o narrador humanista a um mergulho na gênese da mentalidade germânica. Por fim, neste artigo de caráter ensaístico, propõe-se um diálogo intertextual com outros textos, mostrando como Mann se vale de fontes que tratam do pacto com o diabo no âmbito da teologia, da música e das artes visuais pra construir a narrativa de seu romance.

PALAVRAS-CHAVE: Abismo. Doença. Literatura Alemã. Mefistófoles. Nazismo.

 

ABSTRACT: This article focuses on Thomas Mann’s novel Doctor Faust to analyze the representation of the devil in this work, considering the origins of the myth of Faust in literature. The analyse is centered mainly on chapter XXV of the novel, in which the composer Adrian Leverkühn relates his encounter with the Lord of Darkness. In this novel, which also coulb be read as an ethic and politic statement of his author, Mann come back to the one of most famous myth in German literature to write a literary manifest against the Nazi government. Read as a metaphor, the course of Leverkühn’s decadent trajectory takes the humanist narrator to a plunge into the genesis of the German mentality.  Finally, in this essayistic article, an intertextual dialogue with other texts is proposed to show how Mann relied on sources which deal with the devil’s pact in the field of theology, music, and visual arts to construct the narrative of his novel.

KEYWORDS: Abyss. Disease. German Literature. Mephistopheles. Nazism.


RESUMEN: Este artículo enfoca la novela Doctor Fausto, escrita por Thomas Mann, analizando la representación del demonio desde las orígenes del mito de Fausto en la literatura. El análisis se centra sobre todo en el Capítulo XXV, en el que el personaje del compositor Adrian Leverkühn relata su encuentro con el llamado Señor de la Oscuridad. En esta novela, que también puede leerse como una declaración política y ética del autor, Mann volvió a visitar uno de los mayores mitos de la cultura alemana para escribir un manifiesto literario contra el régimen nazi. Leída como una metáfora, la trayectoria decadente de Leverkühn lleva al narrador humanista a sumergirse en la génesis de la mentalidad germánica. Finalmente, en este artículo ensayístico, se propone un diálogo intertextual con otros textos, mostrando cómo Mann usa fuentes que tratan el pacto con el diablo en la teología, la música y las artes visuales para construir la narrativa de su novela.

PALABRAS CLAVE: Abismo. Enfermedad. Literatura Alemana. Mephistopheles. Nazismo.


Texto completo:

PDF - P. 328-348

Referências


ARAÚJO, Adérito. Mehr Licht! Editorial. Gazeta de Matemática, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

ARENDT, Hannah. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (Ensaios), 1930-54. KOHN, Jerome (org.). Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2008.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BUTLER, Eliza Marian. El mito del mago. Trad Menchu Gutiérrez. Cambridge University Press (Espanha), 1997.

CARPEAUX, Otto Maria. Presença de Goethe. In:______. A cinza do purgatório (Ensaios). Balneário Camboriú, SC: Livraria Danúbio Editora, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

GENETTE, Gérard. Discurso da narrativa. Org. Maria Alzira Freixo. Tradução de Fernando Cabral Martins. Lisboa: Vega, 1995.

GESSAT, Rachel. 1936: Thomas Mann é expatriado Calendário histórico. Deustch Welle. 02 dez 2018. Diponivel em . Acesso em: 28 jan. 2019.

LAZAR, Moshe. Theophilus: Servant of Two Masters. The Pre-Faustian Theme of Despair and Revolt. MLN, Vol. 87, N. 6, 1972, p. 31-50. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

LUSTOSA, Isabel. As infinitas vantagens da vergonha: sobre alguns temas em Thomas Mann. Revista USP, n. 71, p. 152-170, 2006.

LUTERO, Martin; CRANACH [the Elder] Lucas. Passional Christi und Antichristi. British Library. 1521. Wittenberg, Alemanha. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

MANN, Thomas. Doutor Fausto: a vida do compositor alemão Adrian Leverkühn narrada por um amigo. Tradução de Hebertr Caro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Saraiva de Bolso, 2011a.

MANN, Thomas. O escritor e sua missão: Goethe, Dostoiévski, Ibsen e outros. Tradução de Kristina Michahelles. Rio de Janeiro: Zahar, 2011b.

MEIRA, Silvio. Vida e obra. In: GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto. Tradução, notas e posfácio de Silvio Meira. São Paulo: Abril Cultural, 1983, p. VII-XXV.

MISKOLCI, Richard. A Montanha Mágica de Thomas Mann - Uma Concepção Política Peculiar. PERSPECTIVAS: Revista de Ciências Sociais, São Paulo, v. 19, p. 131-142, 1996. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

MONTESANO, Marina. The hellish history of the devil: Satan in the Middle Ages. National Geographic. 30/11/2018. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

PALMER, Robert E. A.. Jupiter Blaze, Gods of the Hills, and the Roman Topography of CIL VI 377. American Journal of Archaeology, vol. 80, n. 1, 1976, p. 43–56. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

RAMM, Benjamin. What the myth of Faust can teach us. Culture. BBC. 26/09/2017. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

RASMUSSEN, Eric; DEJONG, Ian. An introduction to Doctor Faustus: morality and sin. British Library. 31 Mar 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

REINHARDT, George W. Thomas Mann’s “Doctor Faustus”: A Wagnerian Novel. Mosaic: A Journal for the Interdisciplinary Study of Literature, v. 18, n. 4, p. 109-123, 1985.

RUSSELL, Jeffrey Burton. Lucifer: the Devil in the middle ages. Cornell University Press, 1986.

RUSSELL, Jeffrey Burton. Satan: the early Christian tradition. Cornell University Press, 1987.

SCHAFFNER, Anna Katherina. Mann’s inhumanity to Mann. The Times Literary Supplement. 17/08/2016. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

SIQUEIRA, José Eduardo de. Irreflexão e a banalidade do mal no pensamento de Hannah Arendt. Revista - Centro Universitário São Camilo, v. 5, n. 4, p. 392-400, 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2019.

SONTAG, Susan. A Doença como metáfora. Tradução de Márcio Ramalho. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

SPOTTS, Frederic. Cursed Legacy: The Tragic Life of Klaus Mann. 1. ed. Yale University Press, 2016.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Tradução de Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 1975.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras