Oficial e popular: considerações sobre duas acepções do Diabo / Official and popular: considerations on two meanings of the Devil

Paulo César RIBEIRO FILHO (USP), Marcia Maria de Arruda FRANCO (USP)

Resumo


RESUMO: Analisa-se neste artigo duas importantes acepções da figura diabólica: a oficial e a popular. A partir do texto bíblico e de sua breve interpretação, será delineado o perfil geral de Lúcifer, suas origens e atribuições, para, em seguida, dissertar sobre a tão contundente cultura do medo do inferno propagada sobretudo durante o início da Idade Moderna. Será apresentado também um panorama teórico a respeito das estratégias populares de enfrentamento dessa entidade e notas sobre o processo de diabolização de figuras míticas pagãs. Em paralelo, como forma de complementar o aporte teórico, serão apresentadas representações iconográficas do Diabo em consonância à época e acepções mencionadas. Pretende-se, assim, demonstrar os prováveis efeitos do processo de diabolização de figuras míticas do folclore pagão com o advento e propagação do cristianismo pela Europa.

PALAVRAS-CHAVE: Diabo. Literatura popular. Folclore europeu. Cristianismo.

 

ABSTRACT: This article analyzes two important meanings of the devilish figure: the official and the popular. From the biblical text and its brief interpretation, the general profile of Lucifer, his origins and attributions will be outlined, and then he will lecture on the overwhelming culture of the fear of hell propagated above all during the beginning of the Modern Age. It will also present a theoretical overview of the popular coping strategies of this entity and notes on the process of diabolization of pagan mythical figures. In parallel, as a way of complementing the theoretical contribution, iconographic representations of the Devil will be presented in consonance with the time and meanings mentioned. It is thus intended to demonstrate the likely effects of the diabolization process of mythical figures of pagan folklore with the advent and spread of Christianity throughout Europe.

KEYWORDS: Devil. Popular literature. European Folklore. Christianity.


RESUMEN: Se analiza en este artículo dos importantes acepciones de la figura diabólica: la oficial y la popular. A partir del texto bíblico y de su breve interpretación, se esbozará el perfil general de Lucifer, sus orígenes y atribuciones, para luego disertar sobre la tan contundente cultura del miedo al infierno propagada sobre todo durante el inicio de la Edad Moderna. Se presentará también un panorama teórico acerca de las estrategias populares de enfrentamiento de esa entidad y notas sobre el proceso de diabolización de figuras míticas paganas. En paralelo, como forma de complementar el aporte teórico, se presentarán representaciones iconográficas del Diablo en consonancia a la época y acepciones mencionadas. Se pretende, así, demostrar los probables efectos del proceso de diabolización de figuras míticas del folclore pagano con el advenimiento y propagación del cristianismo por Europa.

PALABRAS CLAVE: Diablo. Literatura popular. Folklore europeo. Cristianismo.


Texto completo:

PDF - P. 258-273

Referências


AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus. Tradução, prefácio, nota biográfica e transcrições de J. Dias Pereira, vols. I e II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1991 (Vol. I: Livros I a VIII), 1993 (Vol. II: Livros IX a XV).

AVILA, Myriam. O retrato na rua: memórias e modernidade na cidade planejada. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

BARAGAÑO, Ramón. La mitología popular asturiana. In: Narria. Estudios de arte y costumbres populares, n. 39-40, Universidad Autónoma de Madrid, 1985, págs. 44-46. Disponível em: https://repositorio.uam.es/bitstream/handle/10486/8255/44866_8.pdf?

sequence=1. Acesso em 3 de jul. 2017.

BAUDOIN, Jean. Recueil d'emblemes divers avec des discours moraux, philosophiques et politiques tirez de diuers Autheurs, anciens et modernes. Paris: Bibliotheca Regia Monacensis, 1638.

BÍBLIA SAGRADA. Trad. João Ferreira de Almeida. 2ª ed. Revista e Atualizada. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

BRAGA, Teófilo. Contos tradicionais do povo português. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1987. 2 vols.

CABO MARTÍNEZ, María Rosa. Presencia del niño en la mitología asturiana. In: Didáctica de lenguas y culturas. III Simposio Internacional de la Sociedad Española de Didáctica de la Lengua y la Literatura (A Coruña, 1993), Rodríguez López-Vázquez, Alfredo (ed. lit.). A Coruña: Universidade da Coruña. Servizo de publicacións, 1993, p. 397-408. Disponível em: http://ruc.udc.es/dspace/bitstream/handle/2183/9258/CC-009_art_47.pdf. Acesso em 7 jul. 2017.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente (1300-1800): uma cidade sitiada. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

DOUGLAS, Amy; KEDING, Dan. English Folktales. Connecticut: Libraries Unlimited, 2005.

GIORDANO, Oronzo. Religiosidad popular en la Alta Edad Media. Madrid: Ed. Gredos, 1983.

HAASE, Donald. The Greenwood Encyclopedia of Folktales and Fairy Tales: A-F. California: Greenwood Publishing Group, 2008.

KELLY, Henry Ansgar. Satan: a biography. New York: Cambridge University Press, 2006.

KROPEJ, Monika. Supernatural beings of Slovenian myth and folktales. Ljubljana: Institute of Slovenian Ethnology, 2012.

MELLO E SOUZA, Laura. A feitiçaria na Europa Moderna. São Paulo: Editora Ática, 1987.

MODESTO, Severino de S. Conversação familiar e Exame crítico em que se mostra reprovado o Método de Estudar. Valença: Officina de Antonio Balle, 1750.

MUCHEMBLED, Robert. Uma história do diabo: séculos XII–XX. Tradução de Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2001.

RUSSELL, Jeffrey Burton. The prince of darkness: radical evil and the power of good in history. New York: Cornell University Press, 1992.

RUTHVEN, K. K. O mito. Tradução de Esther Eva Horivitz de Beermann. São Paulo: Perspectiva, 2010.

SAGAN, Carl. O mundo assombrado pelos demônios. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

WINGREN, Gustaf. A Vocação Segundo Lutero. Tradução de Martinho Hoffmann. Canoas: Editora da ULBRA, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Guavira Letras