“Saída discreta pela porta dos fundos”: Macabéa e a história do (não) ser / “Sneaking away from the back doors”: Macabéa and the story of (not) being

Maria Cristina Cardoso RIBAS (UERJ/FAPERJ), Otávio Praseres Alves de MOURA (UERJ)

Resumo


“Saída discreta pela porta dos fundos”: Macabéa e a história do (não) ser

RESUMO: Este trabalho pretende analisar a protagonista Macabéa em A Hora da Estrela, na agonia no processo de criação de Clarice Lispector escrevendo o incomum narrador Rodrigo SM, que, por sua vez, narra a história da nordestina no Rio de Janeiro. Esperamos compreender a construção do relato sobre sua (não)existência, através da noção derridiana de phármakon

PALAVRAS-CHAVE: Clarice Lispector. A Hora da Estrela. Macabéa. Phármakon. Processo de criação literária.

 

“Sneaking away from the back doors”: Macabéa and the story of (not) being

ABSTRACT: This work aims at analyzing the protagonist Macabéa in The Hour of the Star, with emphasis on the agony of Lispector's creation process when she’s writing the non-typical narrator Rodrigo SM, who, in turn, tells the story of the young northeasterner in Rio de Janeiro. We hope to understand the account of her (non)existence, through Derrida's concept of phármakon.

KEYWORDS: Clarice Lispector. The hour of the star. Macabéa. Phármakon. Process of Literary creation.

 

“Salida discreta por la puerta posterior”: Macabéa y la historia del (no) ser

RESUMEN: Este trabajo pretende analizar la protagonista Macabéa en La hora de la Estrella, en la agonía del proceso de creación de Clarice Lispector escribiendo el narrador inusual Rodrigo SM, que, a su vez, narra la historia de la nordestina en Rio de Janeiro. Buscamos comprender la construcción del relato acerca de su (no) existencia, a través del concepto phármakon, de Derrida. 

PALABRAS CLAVE: Clarice Lispector. La hora de la estrella. Macabéa. Phármakon. Proceso de creación literaria.


Texto completo:

PDF - P. 332-345

Referências


REFERÊNCIAS

AGAMBEN, Giorgio. “O que é o Contemporâneo?” In: O que é o Contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó, SC: Argos, 2009.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. Tradução de Rogério da Costa. São Paulo: Iluminuras, 1991.

FUKELMAN, Clarisse. Roupas, objetos e espaços: a cultura material em Clarice Lispector. Rio de Janeiro: UFRJ, 2015. (Tese de doutorado)

GURGEL, Gabriela Lírio. A procura da palavra no escuro: uma análise da criação de uma linguagem na obra de Clarice Lispector. Rio de Janeiro: 7Letras, 2001.

HELENA, Lucia. Nem musa, nem medusa: itinerários da escrita em Clarice Lispector. Niterói: EdUFF, 2010.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998a.

LISPECTOR, Clarice. Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres. Rio de Janeiro: Rocco, 1998b.

LISPECTOR, Clarice. Para não esquecer. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

KANAAN, Dany Al-Behy. À escuta de Clarice Lispector: entre o biográfico e o literário, uma ficção possível. São Paulo: EDUC, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SANTOS, Roberto Corrêa dos. Pontuações. In: O tempo de Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

SCHOLLHAMMER, K. E. Ficção Brasileira Contemporânea - Col. Contemporânea, Filosofia, Literatura e Artes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

Referências digitais:

LERNER, Júlio. Programa Panorama – Assunto: Clarice Lispector. Gravado em 01/02/1977. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=nhnhthPmL7s. Acesso em 15/12/16.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858