Gamificação e vigilância na constituição da subjetividade contemporânea: a (não) ficção na série Black Mirror / Gamification and surveillance in the constitution of the contemporary subjectivity: the (non) fiction in Black Mirror

Eliane Righi de ANDRADE (PUC-Campinas), Maria Fernanda Guimarães SANTOS (PUC-Campinas)

Resumo


Gamificação e vigilância na constituição da subjetividade contemporânea: a (não) ficção na série Black Mirror 

RESUMO: A era digital tem contribuído para novas formas de subjetividade e desestabilização de identidades sólidas construídas na modernidade. A sociedade em rede afeta o modo como o sujeito se constitui e se relaciona, fazendo as tecnologias se fundirem a seu modo de ser. Neste artigo, discutiremos, a partir de um recorte discursivo do episódio Nosedive, da série britânica Black Mirror, indícios dessa subjetividade que se concentram em dois dispositivos: a vigilância e a gamificação. Baseamo-nos nos estudos das sociedades de controle, principalmente de Foucault (1987; 1996; 1999) e Deleuze (2008), bem como no conceito de capitalismo de vigilância, de Zuboff (2015), que trabalha os dispositivos de poder em ação na sociedade capitalista tecnologizada. Desenvolvendo uma análise discursivo-textual do recorte, discutiremos como tais mecanismos atuam na formação do sujeito contemporâneo, para além da ficção, fazendo com que ele seja controlado e também controle, em nome de benefícios que o sistema provém e que lhe dão uma ilusória sensação de bem-estar. Em uma analogia com a ficção, percebemos que tais dispositivos em funcionamento no capitalismo fazem com que o sujeito contemporâneo viva numa constante busca de sucesso e exposição, mas que camuflam um profundo desamparo e solidão.

PALAVRAS-CHAVES: Subjetividade. Sistema de vigilância. Gamificação. Black Mirror.

 

Gamification and surveillance in the constitution of the contemporary subjectivity: the (non) fiction in Black Mirror

ABSTRACT: The digital age has contributed to the emergency of new forms of subjectivity and destabilized the solid identities built in modernity. The network society affects the ways the subjects constitute themselves and their relationships, making the technologies merge into their subjectivity. Using a discursive excerpt from the episode Nosedive of the British series Black Mirror, this paper proposes to discuss some traces of this subjectivity concentrated on two devices: surveillance and gamification. Our theoretical perspective is based on the studies of the societies of control, especially developed by Foucault (1987, 1996, 1999) and Deleuze (2008), as well as Zuboff's concept of surveillance capitalism (2015), where she works with the devices of power in capitalist society mediated by digital technologies. Developing a discursive-textual analysis of the excerpt, we will argue about how such devices act in the formation of the contemporary subject making him be controlled and also controls the others, on behalf of the benefits that the system provides and that give him an illusory sense of well-being. In an analogy with the fiction, we understand that such devices make the contemporary subject live in a constant search for success and personal exposure, which capitalism beckons as a necessity of the subject, but that hide his deep helplessness and loneliness.

KEYWORDS: Subjectivity. Surveillance System. Gamification. Black Mirror.

 

Gamificación y vigilancia en la constitución de la subjetividad contemporánea: la (no) ficción en la serie Black Mirror

 

RESUMEN: La era digital ha contribuido para las nuevas formas de subjetividad y ha desestabilizado las identidades sólidas, construidas en la modernidad. La sociedad en red afecta la manera en que el sujeto se constituye y se relaciona, haciendo que las tecnologías se mesclen a su subjetividad. En este artículo, discutiremos, sobre un recorte discursivo del episodio Nosedive de la serie británica Black Mirror, indicios de esa subjetividad que traen la serie y que se concentran en dos dispositivos: la vigilancia y la gamificación. Este trabajo fue embazado en los estudios de las sociedades de control, principalmente en Foucault (1987; 1996; 1999) y Deleuze (2008), así como en el concepto de capitalismo de vigilancia de Zuboff (2015), que habla sobre los dispositivos de poder en la sociedad capitalista mediada por las tecnologías digitales. Desarrollando un análisis discursivo-textual do recorte, hablaremos como los mecanismos actúan en la formación del sujeto contemporáneo, haciendo que él sea controlado y también control, en el nombre de los beneficios que provienen el sistema y que se los dan una ilusoria sensación de bien-estar. En una analogía con la ficción, percibimos que tales dispositivos hacen con que el sujeto contemporáneo viva en una constante búsqueda por el suceso y la exposición, pero sobre la cual se esconde un profundo desamparo y soledad.

PALABRAS CLAVE: Sujeto. Sistemas de vigilancia. Gamificación. Black Mirror.

 


Texto completo:

PDF - P. 49-64

Referências


REFERÊNCIAS

ANDRADE, E. R. De; AMARANTE, M. de F. O sujeito prét-à-porter: consumo e construção de subjetividades na contemporaneidade. Agália, Santiago de Compostela, n. 112, p. 73-98, 2º semestre 2015. Disponível em: http://www.agalia.net

BARTHES, R. O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III. Tradução de Léa Novaes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Tradução de Artur Morão. Portugal: Edições 70, 1995.

BIRMAN, J. O mal-estar na atualidade. A psicanálise e as novas formas de subjetivação. 5.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

BLACK MIRROR: Nosedive (Episode 8). Direção de Joe Wright. House of Tomorrow. Inglaterra: 2016. Reino Unido: Endemol, October 2016. [Netflix]. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2018.

CINNAMON, J. Social Injustice in Surveillance Capitalism. Surveillance & Society 15(5): 609- 625, 2017.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, G. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 7.ed., 2008.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 13. ed., 1999.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Org. Roberto Machado. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

GREGOLIN, M. R. AD: descrever - interpretar acontecimentos cuja materialidade funde linguagem e história. In NAVARRO, P. (Org.) Estudos do texto e do discurso – mapeando conceitos e métodos. São Carlos: Claraluz Editora, 2006. p. 19-34.

HARARI, Y. Homo Deus: uma breve história do amanhã. Tradução de Paulo Geiger. Israel: Harvill Secker, 2016.

KOHN, A. Punished by rewards: the trouble with gold stars, incentive plans, a’s, praise and other bribes. Houghton Mifflin Company, Boston: 1999.

LASCH, C. The culture of narcissism. New York: W. W. Norton & Company, 1991.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 3. ed., 2010.

LIMA, M. Como em episódio da série ‘Black Mirror’, China vai dar notas a cidadãos. O Estado de S. Paulo. < https://link.estadao.com.br/noticias/cultura-digital,como-em-episodio-da-serie-blackmirror-china-vai-dar-notas-a-cidadaos,70002268857>. Acesso em: 26 mai. 2018.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo. Viver na era do capitalismo artista. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação, v.12, n.1, p.117-128, 2006.

ORWELL, G. 1984. Tradução de Alexandre Hubner e Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SIBILIA, P. O show do eu. A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SOUZA, T. C. C. Perspectiva da análise (in) visível: a arquitetura discursiva do não verbal. Revista Rua. Volume 24 - número 1, p. 17-35. Campinas, junho de 2018.

ZICHERMANN, G.; CUNNINGHAM, C. Gamification by Design – Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps, 2011.

ZUBOFF, S. Big other: surveillance capitalism and the prospects of an information civilization. Journal of Information Technology, Cambridge, MA, USA, v. 30, p. 75–89, 2015.

WERBACH, K.; DAN H. For the win: how game thinking can revolutionize your business. Philadelphia: Wharton Digital Press, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858