Constituição da Identidade do Sujeito Transgênero: Complexidade e Designação / Constitution of the Identity of the Subject Transgender: Complexity and Designation

Dina Maria Martins FERREIRA (UECE)

Resumo


Constituição da Identidade do Sujeito Transgênero: Complexidade e Designação

RESUMO: Este artigo busca discutir a constituição da identidade do sujeito transgênero pelo processo designativo.  No percurso analítico, parte-se da noção da linguagem humana em Walter Benjamin (1992), perguntando a “que se comunica a linguagem” e sobre sua força designativa. Chega-se a Frege (1980) e Rajagopalan (2004), apresentando, respectivamente, a metáfora do telescópio, em que o referente está na primeira lente e o sentido na seguinte, e o referente como um elemento extralinguístico.  Trata-se de uma discussão de como o processo designativo constitui a identidade do sujeito.  Pela teoria da complexidade de Edgar Morin (2006), verifica-se que o paradigma simplificador não dá conta das problemáticas nomeadoras, pois apenas a complexidade abre as portas de uma possível visão sobre a designação identitária de gênero, ou seja, entramos no universo da incerteza.  Talvez pela complexidade possa-se entender a possibilidade de configurar pela designação a identidade de um transgênero masculino gestando um filho biológico, dando supremacia a sua genitália feminina. E aí passamos a indagar se na mudança de papéis ‒ de transgênero masculino que utiliza sua anatomia feminina para realizar o desejo de maternidade ‒ ainda pode ter a identidade de transgênero masculino.

PALAVRAS-CHAVE: Identidade. Transgênero. Designação. Complexidade.

 

Constitution of the Identity of the Subject Transgender:
  Complexity and Designation

ABSTRACT: This article seeks to discuss the constitution of the identity of the transgender subject by the designation process. In the analytical course, we start with the notion of human language in Walter Benjamin (1992), asking "what communicates language" and its designative force. We arrive at Frege (1980) and Rajagopalan (2004), presenting, respectively, the metaphor of the telescope, in which the referent is in the first lens and the direction in the next one, and the referent as an extralinguistic element. It is a discussion of how the designative process constitutes the identity of the subject. According to Edgar Morin's theory of complexity (2011a), it can be seen that the simplifying paradigm does not account for problematic naming, since only complexity opens the door to a possible vision about the identity designation of gender, that is, we enter into the universe of uncertainty. Perhaps because of the complexity one can understand the possibility of designating the identity of a male transgender gestating a biological child, giving supremacy to his female genitalia. And then we ask whether in the change of roles ‒ male transgender that uses its female anatomy to fulfill the desire for motherhood ‒ can still have male transgender identity.

KEYWORDS: Identity. Transgender. Designation. Complexity.

 

Constitución de la Identidad del Sujeto Transgénero:
  Complejidad y designación

RESUMEN: Este artículo busca discutir la constitución de la identidad del sujeto transgénero por el proceso designativo. En el curso analítico, se parte de la noción del lenguaje humano en Walter Benjamin (1992), preguntando la "que se comunica el lenguaje" y sobre su fuerza designativa. Se llega a Frege (1980) y Rajagopalan (2004), presentando, respectivamente, la metáfora del telescopio, en que el referente está en la primera lente y el sentido en la siguiente, y el referente como un elemento extralinguístico. Se trata de una discusión de cómo el proceso de designación construye la identidad del sujeto. Por la teoría de la complejidad de Edgar Morin (2006), se verifica que el paradigma simplificador no da cuenta de las problemáticas nombradoras, pues sólo la complejidad abre las puertas de una posible visión sobre la designación identitaria de género, o sea, entramos en el universo de la " incertidumbre. Tal vez por la complejidad se pueda entender la posibilidad de configurar por la designación la identidad de un transgénero masculino gestando un hijo biológico, dando supremacía a su genitales femeninos. Y ahí pasamos a indagar si en el cambio de papeles ‒ de transgénero masculino que utiliza su anatomía femenina para realizar el deseo de maternidad ‒ todavía puede tener la identidad de transgénero masculino.

PALABRAS CLAVE: Identidad. Transgénero. Designación. Complejidad.


Texto completo:

PDF - P. 81-93

Referências


REFERÊNCIAS

BENJAMIN, W. A linguagem em geral e sobre a linguagem humana. In: BENJAMIN, W. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Tradução de Manuel Alberto, Maria Amélia Cruz, Maria Luz Moita. Lisboa: Relógio d’Água, 1992, p. 177-196.

BUTLER, J.; SCOTT, J. (Eds.) Contingent foundations: feminism and the question of “postmodernism”. Boston: Harvard University Press, 1989.

BUTLER, J. Gender trouble. Feminism and the subversion of identity. 2.ed New York/London: Routledge, 1999.

CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE (CID-10). Organização Mundial de Saúde (OMS), 1989.

FREGE, G. Denotação. Tradução de Pablo Rúben Mariconda. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Coleção Os Pensadores).

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução de Manuela Pinto dos Santos. São Paulo: Abril, 1999.

KRIPKE, S. Name and Necessity. 21. ed. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 2001.

MACHADO, J. P. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. V.III F-L. 7. ed. Lisboa: Livros Horizonte, 1995.

MARTINS FERREIRA, D. M. Processo designativo e construto identitário da primeira-dama: pragmatismo e simbolismo. Intercâmbio, v. 13, 2004. Disponível em:. Acesso em: 25 de abril de 2018.

MOITA LOPES, L. P. da. Introdução: uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 13-44.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução de Eliane Lisboa. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011a.

MORIN, E. O método IV: as ideias: habitat, vida, costumes, organização. Tradução de Juremir Machado da Silva. 6. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011b.

RAJAGOPALAN, K. Reference. In: STRAZNY, P. (Org.) Encyclopedia of Linguistics. 2. ed. New York: Fitzroy Dearborn, 2004. p. 396-398. Disponível em: https://www.swarthmore.edu/SocSci/.../Harrison-2001-VH.pdf. Acesso em: 22 abril de 2017.

SANTOS, B. de S. O discurso da ciência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SEMPRINI, A. Multiculturalismo. Tradução de Laureano Pelegrin. Bauru: Edusc, 1999.

SPIZZIRRI, G. Morfometria cerebral e imagens de tensores de difusão da microestrutura de susbstância branca em homens para mulheres transexuais antes e depois do processo transexualizador. 2016. 139 p. Tese (Doutorado em Ciências) - Programa de Psiquiatria, Universidade de Medicina de São Paulo, São Paulo, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858