A branquidade na literatura infantil: uma herança da colonialidade / Critical whiteness children in literature: a coloniality heritage

Rita de Cassia Moser ALCARAZ (Faculdades da Indústria; Faculdade São Braz), Marcelo Barbosa ALCARAZ (UNIANDRADE)

Resumo


A branquidade na literatura infantil: uma herança da colonialidade

RESUMO: Parte das pesquisas apresentadas neste artigo reforçam o que já se debateu por alguns autores (ROSEMBERG, 1985; BAZILLI, 1999; ARAÚJO, 2011) de que a representação majoritária de personagens brancas por meio da literatura infantil os coloca como padrões de humanidade. Essa afirmação tem sido questionada durante algum tempo, entretanto os estudos continuam a indicar esta proposição como verdadeira. Tal questão ainda é mais preocupante quando os programas para a aquisição de livros infantis são públicos, como era o caso do Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE) e apesar das avaliações para a seleção de obras, as protagonistas negras por vezes eram estereotipadas. Ainda, como hipótese acreditamos que o mito da democracia racial estruturado no Brasil opera por meio da colonialidade que é transposto na aquisição dos livros literários na manutenção do racismo.

PALAVRAS-CHAVE: PNBE. Branquidade. Colonialidade. Literatura infantil.

 

Critical whiteness children in literature: a coloniality heritage

ABSTRACT: Some of the researches presented in this paper reinforce what has already been discussed by some authors (ROSEMBERG, 1985; BAZILLI, 1999; ARAÚJO, 2011) that the majority representation of white characters through children's literature places them as standards of humanity. This statement has been questioned for some time, however the studies continue to indicate this proposition as true. This issue is even more worrying when programs for the acquisition of children's books are public, such as the National Library at School Program (PNBE), and despite evaluations for the selection of works, the black protagonists were sometimes stereotyped. Still, as hypothesis we believe that the myth of racial democracy structured in Brazil operates through coloniality that is transposed in the acquisition of literary books in the maintenance of racism.

KEYWORDS: PNBE. Whiteness. Coloniality. Children's literature.

 

 La Blanquedad en la literatura infantil: una herencia de la colonialidad

RESUMEN: Algunas de las investigaciones presentadas en este artículo refuerzan lo que ya ha sido discutido por algunos autores (Rosemberg, 1985; Bazilli, 1999; ARAÚJO, 2011) que la representación mayoritaria de características blancos por medio de la literatura infantil los sitúa como stándar de humanidad. Esta afirmación ha sido cuestionada desde hace algún tiempo, sin embargo los estudios continúan indicando esta proposición como verdadera. Tal pregunta es todavía más preocupante cuando los programas para la adquisición de libros infantiles son públicos, como fue el caso del programa nacional de bibliotecas en la escuela (PNBE) y a pesar de las evaluaciones para la selección de obras, los protagonistas negros fueron a veces Estereotipado. Aún así, como hipótesis creemos que el mito de la democracia racial estructurado en Brasil opera a través de la colonialidad que se transpuesta en la adquisición de libros literarios en el mantenimiento del racismo.

PALABRAS CLAVE: PNBE. PNBE. Blanquedad. Colonialidad. Literatura infantil.


Texto completo:

PDF - P. 360-370

Referências


REFERÊNCIAS

APPLE, Michael W. Consumindo o outro: branquidade, educação e batatas fritas baratas. In: COSTA, Marisa Vorraber; APPLE, Michael W. (orgs.). Escola Básica na virada do século. São Paulo: Cortez, 2002. p. 25-43.

ARAÚJO, Débora Cristina. Educação em Direitos Humanos e Promoção da Igualdade Racial. Linhas Críticas, Brasília (UnB), v. 17, p. 483-505, 2011.

BAZILLI, C. Discriminação contra personagens negros na literatura infanto-juvenil brasileira contemporânea. 1999. Dissertação (Mestrado desenvolvido no Negri -Núcleo de Estudos de Gênero, Raça e Idade do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Social). Pontíficia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 1999.

BHABA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila; Eliana L. de L. Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

BLAJBERG, Salomon. As idiossincrasias raciais brasileiras na formulação das políticas públicas em vista da eliminação do apartheid formal na África do Sul In: MUNANGA, Kabengele. Estratégias e políticas de combate à discriminação racial. São Paulo: Edusp, 1996, p.35.

BRASIL. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003a, p. 01. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em:10 mar. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Edital de Convocação para Inscrição de Obras de Literatura no Processo de Avaliação e seleção para o Programa Nacional Biblioteca da Escola – PNBE 2014. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2009. Disponível em: file:///C:/Users/user/Downloads/edital_pnbe-2014%20(3).pdf. Acesso em: 4 jun. 2016.

CARDOSO, Lourenço. Retrato do branco racista e anti-racista. UNISC, 2010. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/download/1279/1055. Acesso em: 22 maio 2015.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007.

CAVALLEIRO, Eliane dos S. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 1998. 225 p. Dissertação (Mestrado desenvolvido no NEINB-Núcleo de Pesquisas e Estudos Interdisciplinares do Negro Brasileiro). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

COLOMER, Teresa. La ensenanza de la literatura como construcción del sentido. Revista latino-americana de lectura. dezembro 2001. Disponível em: http://www.mdp.edu.ar/humanidades/documentacion/licad/archivos/modulos/sem-a/eje4/A02.pdf. Acesso em: 29 maio 2016.

D’ÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil 1917-1945. São Paulo: Editora da UNESP, 2006.

DADIE, Gilmara Aparecida Guedes dos Santos. Personagens negros, protagonistas nos livros da educação infantil: estudo do acervo de uma escola de educação infantil do município de São Paulo. 2013. 171p. Dissertação (Mestrado desenvolvido na Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-18122014-103728/pt-br.php

FERNANDES, Célia Regina Delácio; PAULA, Flávia Ferreira de Paula. Literatura, infância e o Projeto Literatura em minha casa. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 16, n. 41, p. 72-88, 2015. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24514. Acesso em: 10 jun. 2016

FRANKENBERG, Ruth. A miragem de uma branquidade não-marcada. In: WARE, Vron (org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 307-338.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo: Global Editoras, 2006.

GIROUX, Henry. Por uma pedagogia e política da branquidade. Cadernos de Pesquisa, n. 107, p. 97-132, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n107/n107a04.pdf. Acesso em: 9 jul. 2015.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura. Educação & Realidade, Porto Alegre, n. 22, v. 2, jul.-dez. 1997.

HARRIS, Violet J. African American Children's Literature. Freedom's Plow: Teaching in the Multicultural Classroom, p. 167, 1993.

KAERCHER, Gládis Elise Pereira da Silva. O mundo na caixa: gênero e raça no Programa Nacional de Biblioteca da Escola-1999 2006. 225 p. Tese (Doutorado em Educação). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006. Disponível: http://repositorio.minedu.gob.pe/bitstream/handle/123456789/224/2006_Kaercher_O%20mundo%20na%20caixa%20%20g%C3%AAnero%20e%20ra%C3%A7a%20%20no%20Programa%20Nacional%20Biblioteca%20da%20Escola%20%201999.pdf?sequence=1&isAllowed=y

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. São Paulo: Ática, 1996.

LOPES, Naiane Rufino. Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) 2010: personagens negros como protagonistas e a construção da identidade étnico-racial. Dissertação. Marília: UNESP, 2012.

MIGNOLO, Walter. El pensamento decolonial: desprendimento y apertura. Un Manifesto In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 25-46.

OLIVEIRA, Veridiane Cintia de Souza Oliveira. Educação das relações Étinico-Raciais e estratégias ideológicas no acervo do PNBE 2008 PARA EDUCAÇÃO INFANTIL. 190p. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010. Disponível:http://www.ppge.ufpr.br/teses/M11_Verediane%20Cintia%20de%20Souza%20Oliveira.pdf

PAIVA, Aparecida. PNBE: seleção, distribuição, circulação e usos de livros de literatura na Educação Infantil: uma política em (re) construção. Literatura na Educação Infantil, 2015.

PIZA, Edith. Adolescência e racismo. Uma breve reflexão- Simpósio Internacional do Adolescente- Maio, 2005. Disponível em: www.prociedings.scielo.br. Acesso em: 20 abr. 2015.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 93-126.

ROSEMBERG, Fúlvia. A literatura Infantil e Ideologia. São Paulo: Global, 1985.

SAID, Edward W. Orientalismo: O oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Tomás R. Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SANTOS, Sales Augusto dos. Ação Afirmativa ou a Utopia Possível: O Perfil dos Professores e dos Pós-Graduandos e a Opinião destes sobre Ações Afirmativas para os Negros Ingressarem nos Cursos de Graduação da UnB. Relatório Final de Pesquisa. Brasília: ANPEd/ 2° Concurso Negro e Educação, 2002.

SOARES, Magda. Livros para educação infantil: a perspectiva editorial. In: PAIVA, A; SOARES, M. (orgs.) Literatura infantil: políticas e concepções. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 21-34.

STEYN, Melissa. Novos matizes da “branquidade”: a identidade branca numa África do Sul multicultural e democrática. In: WARE, Vron. Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p. 115-137.

VENÂNCIO, Ana Carolina Lopes. 228 p. 2009. Literatura infanto-juvenil e diversidade. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.Disponível em: www.ppge.ufpr.br/teses/M09_venancio2.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858