Tolerância social e machismo: marcas ideológicas no discurso coletivo / Social Tolerance and Chauvinism: Ideological Marks in Collective Discourse

Alexandre Luís GONZAGA (UEMS/Jardim)

Resumo


Tolerância social e machismo: marcas ideológicas no discurso coletivo

RESUMO: Neste trabalho analisamos discursos sobre a repercussão da publicação de dados de uma Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA – sobre a tolerância social à violência contra a mulher. O IPEA divulgou entre os resultados da pesquisa que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas” e que “se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros”. Pode-se notar que há na sociedade o que podemos chamar de “bastião de resistência”, que inclui homens e mulheres que concordam com as assertivas mencionadas e que colaboram para compor um quadro de relações dialéticas e contraditórias, tendo por um lado nítidos avanços na condição emancipatória da mulher na sociedade, e por outroo conservadorismo. Abordamos os tipos de ideologia que permeiam o fazer jurídico e que mostramos o Mac-hismo como elemento ideológico que influencia grandemente as decisões tomadas por magistrados. A metodologia segue os moldes de pesquisa social crítica, proposta pelo viés teórico da Análise do Discurso que promove investigações textuais orientadas, observando as relações de poder, linguagem e dominação. Assim, apoiamo-nos teoricamente em Pêcheux, Foucault, Althusser, Lyra Filho e Montoro e Wolkmer.  

PALAVRAS-CHAVE: Discurso jurídico. Análise do discurso. Machismo. Mudança social.

 

Social Tolerance and Chauvinism: Ideological Marks in Collective Discourse

ABSTRACT: In this paper we analyze the repercussions of the publication of data from a Research by the Institute of Applied Economic Research (IPEA) on the social tolerance of violence against women. The IPEA reported among the survey results that "women wearing clothes that show the body deserve to be attacked" and that "if women knew how to behave, there would be less rape." It may be noted that there is in society what we might call a "bastion of resistance," which includes men and women who agree with the aforementioned assertions and who collaborate to form a framework of dialectical and contradictory relations, having, on the one hand, clear advances in the emancipatory condition of women in society, and on the other, conservatism. We approach the types of ideology that permeate legal making and that we show machismo as an ideological element that greatly influences decisions made by magistrates. The methodology follows the models of critical social research, proposed by the theoretical bias of Discourse Analysis that promotes oriented textual investigations, observing the relations of power, language and domination. Thus, we theoretically support Pêcheux, Foucault, Althusser, Lyra Filho, and Montoro and Wolkmer.

KEYWORDS: Legal discourse. Discourse analyse. Chauvinism. Social change.

 

Tolerancia social y machismo: marcas ideológicas en el discurso colectivo

RESUMEN: En este trabajo analizamos discursos sobre la repercusión de la publicación de datos de una Investigación del Instituto de Investigación Económica Aplicada - IPEA - sobre la tolerancia social a la violencia contra la mujer. El IPEA divulgó entre los resultados de la investigación que "mujeres que usan ropas que muestran el cuerpo merecen ser atacadas" y que "si las mujeres supieran cómo comportarse, habría menos violaciones". Se puede notar que hay en la sociedad lo que podemos llamar "bastión de resistencia", que incluye hombres y mujeres que concuerdan con las asertivas mencionadas y que colaboran para componer un cuadro de relaciones dialécticas y contradictorias, teniendo por un lado nítidos avances en la sociedad condición emancipatoria de la mujer en la sociedad, y por otro el conservadurismo. Abordamos los tipos de ideología que permean el hacer jurídico y que mostramos el machismo como elemento ideológico que influye grandemente en las decisiones tomadas por magistrados. La metodología sigue los moldes de investigación social crítica, propuesta por el sesgo teórico del Análisis del Discurso que promueve investigaciones textuales orientadas, observando las relaciones de poder, lenguaje y dominación. Así, nos apoyamos teóricamente en Pêcheux, Foucault, Althusser, Lyra Filho y Montoro y Wolkmer.

PALABRAS CLAVE: Discurso jurídico. Análisis del discurso. El machismo. Cambio social.


Texto completo:

PDF - P. 149-162

Referências


REFERÊNCIAS

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do estado. Tradução de J. J. Moura Ramos. Lisboa: Presença/ Martins Fontes, 1974.

BORDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. Trad. Denise Bárbara Catani. São Paulo: UNESP, 2004.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940. Disponível em http://www.direitobrasil.adv.br/arquivospdf/codigos/CP.pdf. Acesso em 05.dez.2018

CHAUÍ, M. S. O que é ideologia. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Brasiliense, 2001.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura Sampaio. 5. ed. São Paulo: Loyola, 1999.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Tradução de Flavio Siebeneichler. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997.

LORAUX, N. A Invenção de Atenas. Tradução de Lílian Valle. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LYRA FILHO, R. O que é Direito. 11. ed. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MARX, K. A Ideologia Alemã. trad. Luis Claudio de Castro e Costa. 2ªed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MATO GROSSO DO SUL. Tribunal de Justiça. Ministério Público e Manoel Francisco de Araújo. Relator: Des. João Carlos Brandes Garcia. Mato Grosso do Sul, 17 de setembro de 2001. Disponível em http: //www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/5733232/embargos-infringentes-ei-6655-ms-2001006655-6-tjms/inteiro-teor. Acesso em: 13 ago. 2012

MONTORO, A. F. Introdução à ciência do direito. 29. ed. rev. atual. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso. Princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. 3. ed. Campinas SP: UNICAMP, 1997.

PORTANOVA, R. Motivações ideológicas da sentença. São Paulo: Livraria do Advogado, 2003.

THERBORN, G. A ideologia do poder e o poder da ideologia. Tradução de Jair Pinheiro. London: Verso, 1980. Disponível em: www.pucsp.br/neils/downloads/v1_artigo_therborn.pdf. Acesso em: 27 ago. 2012.

WOLKMER, A. C. Ideologia, Estado e Direito. 4. ed. atual. e amp. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858