Reciprocidade e enunciação na cultura de interação em uma classe de língua inglesa em Bagé / Reciprocity and enociation in the interaction culture in a English class from Bagé

Megui dos Santos MASCARELO (UNIPAMPA), Silvana SILVA (UFRGS)

Resumo


RESUMO: O presente artigo busca estudar a relação entre enunciação e reciprocidade numa determinada cultura de interação de sala de aula de língua inglesa como língua adicional. Partimos de um pressuposto de que, havendo um olhar atento para esses aspectos da interação professor e aluno, pode-se alcançar um maior entendimento ou melhor resultado no que se refere a engajamento em sala de aula. O referencial teórico se apoia na Enunciação, de Émile Benveniste, bem como na Reciprocidade, de Marcel Mauss. Comparando-se formas de reciprocidade descritas por Mauss com conceitos de “dom” e “troca” apresentados por Benveniste, buscamos identificar a forma de reciprocidade mais aproximada da situação analisada. Com isso, podemos desenvolver um olhar voltado para a cultura de interação entre professor e aluno, de modo que este seja também um critério de desenvolvimento de aulas e de construção de interação. Verificamos, na interação observada que a forma antropológica de reciprocidade do tipo ‘Potlatch’ - a que envolve disputa por poder e autoridade, assim como destruição do objeto de reciprocidade - é a predominante.

PALAVRAS-CHAVE: Enunciação. Reciprocidade. Cultura de interação. Ensino de língua inglesa. Intersubjetividade.

 

ABSTRACT: This article sought to study the relationship between enunciation and reciprocity within a given classroom interaction culture. This is a classroom for learners of English as an additional language. We presupposed that, as long as we turn our gaze to such aspects of teacher-student interaction, it is possible to reach a deeper understanding or a better result regarding classroom engagement. The theoretical reference finds support in Enunciation Theory, by Émile Benveniste, as well as Reciprocity Theory, by Marcel Mauss. By comparing the forms of reciprocity described by Mauss with the concepts of “gift” and “exchange” pointed out by Benveniste, we intended to identify the forms of reciprocity that are closest to the observed situation. With this approach, one can develop a view on the culture of interaction between teacher and student, so that it may also become  criteria for lesson planning and interaction construction. We uphold, as a result, that the predominant anthropological type of reciprocity was that of Potlatch - which involves competition for power and authority, as well as destruction of the object of reciprocity. That was the most predominant among the studied forms.

KEYWORDS: Enunciation. Reciprocity. Interaction culture. English language teaching. Intersubjectivity.


Texto completo:

PDF - P. 139-151

Referências


REFERÊNCIAS

BENVENISTE, E. Estrutura das relações de pessoa no verbo. In: _____. Problemas de linguística geral I. Campinas, SP: Pontes, 2005, p. 247-259.

_____. As relações de tempo no verbo francês. In: _____. Problemas de linguística geral I. Campinas, SP: Pontes, 2005, p.260-276.

_____. Da subjetividade na linguagem. In: _____. Problemas de linguística geral I. Campinas, SP: Pontes, 2005, p. 284-293.

_____. Dom e troca no vocabulário indo-europeu. In: _____. Problemas de linguística geral I. Campinas, SP: Pontes, 2005, p.348-360.

BENVENISTE, E. A linguagem e a experiência humana. In: _____. Problemas de linguística geral II. Campinas, SP: Pontes, 2006, p. 68-80.

FLORES, V., BARBISAN, L., FINATTO, M. J., TEIXEIRA, M. (Orgs.). Dicionário de linguística da enunciação. São Paulo: Contexto, 2009.

FLORES, V. Introdução à teoria enunciativa de Benveniste. São Paulo: Parábola, 2013.

FLORES, V., SEVERO, R. Linguagem e cultura: uma abordagem com Benveniste. Veredas Online – Atemática. Vol. 19, nº 2, Universidade Federal de Juiz de Fora. Minas Gerais, 2015. Disponível em http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2015/04/17-FLORES-E-SEVERO1.pdf

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

OLIVEIRA, J. L. M. de. O conceito antropológico de cultura. Pró-Reitoria de Extensão (Proex), Diretoria de Programas de Pastoral (Dipas). Centro de Reflexão sobre Ética e Antropologia da Religião (Crear), Universidade Católica de Brasília, 2014. Disponível em https://www.ucb.br/sites/000/14/PDF/OconceitoantropologicodeCultura.pdf

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ. Dados gerais e econômicos de Bagé. Encontrado em http://www.bage.rs.gov.br/economia.php Acessado em junho de 2016.

SCHLATTER, M. GARCEZ, P. Línguas adicionais na escola: aprendizagens colaborativas em inglês. Erechim: Edelbra, 2012.

SILVA, S. O Homem na Língua: uma visão antropológica da enunciação para o ensino de escrita. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Porto Alegre. Instituto de Letras. UFRGS, 2013. Disponível em: www.sabi.ufrgs.br


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis A2)