O duplo e a intertextualidade em A morte e a morte de Quincas Berro D'Água, de Jorge Amado

Paula Sperb (USC), João Claudio Arendt (USC)

Resumo


Publicada pela primeira vez em 1959, a novela A morte e a morte de Quincas berro D'Água, de Jorge Amado, é considerada um de seus melhores textos pela crítica especializada. Este trabalho pretende analisar a presença do duplo, uma vez entendido que a obra tem características de literatura fantástica. Para identificação do duplo como cisão da personagem principal utilizaremos principalmente os autores ROSSET (1998), MELLO (2000) e RANK (2013). Abordaremos também o tópico da intertextualidade comparando a adaptação da obra para o cinema com o referencial teórico de JENNY (1979) e NITRINI (2000).

Texto completo:

PDF - p. 278-289

Referências


ALVES, Ivia. De paradigmas, cânones e avaliações – ou dos valores negativos da produção de Jorge Amado. In: Letras de Hoje. Porto Alegre. v.37, nº2, p. 197-207, junho, 2001.

AMADO, Jorge. A morte e a morte de Quincas Berro D'Água. Rio de Janeiro: Record, 2001.

AMADO, Jorge. Os velhos marinheiros. São Paulo: Martins, 1961.

CARPENTIER, Alejo. Prefácio. O reino deste mundo. São Paulo: Record, 1985, s.p.

ESTEVES, Antonio R.; FIGUEIREDO, Eurídice. Realismo mágico e realismo maravilhoso. In: FIGUEIREDO, Eurídice (Org.). Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora: UFJF, 2005, p.394-414.

HATOUM, Milton. Uma novela exemplar. EntreLivros. São Paulo: agosto de 2006.

JENNY, Laurent. A estratégia da forma. In; Poétique revista de teoria e análise literárias: Intertextualidade. Coimbra: Almedina, 1979, p. 5-49.

LISBOA, Ana Maria; JACOBY, Sissa. O tema do duplo. In: RANK, OTTO. O duplo: um estudo psicanalítico. Porto Alegre: Dublinense, 2013,s.p.

MELLO, Ana Maria Lisboa de. As faces do duplo na literatura. In: INDURSKY, F.; CAMPOS, M.do C. (orgs.). Discurso, memória, identidade. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2000, p. 111-123.

NITRINI, Sandra. Intertextualidade. In: Literatura comparada: história, teoria e crítica. São Paulo; Edups, 2000, p.157-167.

RANK, OTTO. O duplo: um estudo psicanalítico. Porto Alegre: Dublinense, 2013.

RODRIGUES, Selma Calazans. Fantástico ou fantástico. O fantástico. São Paulo: Ática, 1988, p. 14-49.

ROSSET, Clément. O real e seu duplo. Porto Alegre: L&PM, 1998.

SILVA, Kalina Vanderlei, SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de conceitos históricos. São Paulo: Editora Contexto, 2010.

TODOROV, Tzvetan. A narrativa fantástica. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, 1979. In: As estruturas narrativas. Trad. Leyla Perrone-Moysés. São Paulo: Perspectiva, 1969. (Debates, 14). p. 147-166.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis A2)