Biografia jornalística: Algumas possibilidades

Demétrio de Azeredo Soster (UNISC), Rodrigo Bartz (UNISC)

Resumo


Neste artigo abordamos as biografias de natureza jornalística sob alguns aspectos narrativos, além de estratégias para a (re)construção dessa trajetória biográfica. Tal desejo surgiu da curiosidade a respeito do gênero que aparece sempre no topo nas listas de comercialização e abarrota as vitrines de livrarias e bibliotecas, principalmente a partir do século XX, mas ainda é desprezado, de certa forma, pela academia. Verificamos que nas biografias escritas por jornalistas de ofício, o que é uma tendência atual de mercado – muitas das peças do quebra-cabeça biográfico ou puzzle, como denomina Décio Pignatari (1996), não se encaixam ou parecem pertencer a outro jogo. Assim, muitas dessas lacunas deixadas, por essas peças faltantes ou desencaixadas, são contornadas com a ficcionalização e com o que Roland Barthes, em Câmara Clara (2011) e Sade, em Fourier, Loyola (2010) denomina biografemas. Aqui, nos propomos a apresentar algumas técnicas de abordagem usadas nas biografias. A presente pesquisa adota como corpus principal a obra Getúlio: dos anos de formação à conquista do poder (1882-1930), do jornalista Lira Neto (2012), indexada como uma narrativa jornalística, na forma de biografia.


Texto completo:

PDF - p. 187-201

Referências


BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2011.

. MICHELET. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

. Sade, Fourier, Loiola. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARTZ, R. Jornalismo e literatura: as complexificações narrativas jornalísticas de cunho biográfico [recurso eletrônico] – Santa Cruz do Sul: Catarse, 2015. Disponível em: http://editoracatarse.com.br/site/2015/10/26/jornalismo-e-literatura-as-complexificacoes-narrativas-de-cunho-biografico/. Acesso em: 01 de nov. 2015.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 12. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1998.

COSTA, L. B. Estratégias biográficas: o biografema com Barthes, Deleuze, Nietzche e Henry Miller. Porto Alegre: Sulina, 2011.

DOSSE, F. O Desafio Biográfico: Escrever uma Vida. São Paulo:

Edusp, 2009.

GENRO FILHO, A. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2012.

GROTH, O. O poder cultural desconhecido: fundamento da ciência dos jornais. Tradução de Liriam Sponholz.- Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

LIMA, E. P. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. 4. ed., rev. e ampl. Barueri: Manole, 2009.

MELO, J. M. M.; ASSIS, F. Gêneros jornalísticos no Brasil. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2010.

MOTTA, L. G. Análise crítica da narrativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2013.

NETO, L. Getúlio: dos anos de formação à conquista do poder (1882-1930). São Paulo: Companhia das letras, 2012.

. Padre Cícero: poder, fé e guerra no sertão. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PIGNATARI, D. Para uma semiótica da biografia. In: HISGAIL, Fani. Biografia: sintoma da cultura. São Paulo: Hacker editores: Cespuc, 1996.

REIS, C.; LOPES, A. C. M. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

SANTOS, K. N. Quando a fonte vira personagem: análise do livro-reportagem “A vida que ninguém vê”, de Eliane Brum. Dissertacão (Mestrado em Letras) – Programa de Pos Graduacão em Letras, Universidade de Santa Cruz do Sul, 2013. Disponível em: http://btd.unisc.br/Dissertacoes/KassiaSantos.pdf. Acesso em: fev. de 2014.

SOSTER, D. A. O jornalismo em novos territórios conceituais: internet, midiatização e a reconfiguração dos sentidos midiáticos. São Leopoldo: Unisinos, 2009. Tese (Doutorado em Comunicação), Programa de Pós-graduação em Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Disponível em: http://biblioteca.asav.org.br/vinculos/tede/DemetrioSosterComunicacao.pdf. Acesso em: 19 de jul. 2015.

. A midiatização das narrativas jornalísticas na seção Diário da Revista Piauí. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 9, 2011, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro, SBPJor, 2011. CD – ROM.

. Sistemas, complexidades e dialogias: narrativas jornalísticas reconfiguradas. In: PICCININ, F.; SOSTER, D. A. (org.). Narrativas comunicacionais complexificadas. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2012.

. Reconfigurações narrativas no jornalismo e na literatura. Revista Brasileira de Ensino de jornalismo. REBEJ. V.3, n.12, p. 96-108, 2013.

VILAS BOAS, S. Metabiografia e seis tópicos para o aperfeiçoamento do jornalismo

biográfico. São Paulo. ECA/USP, 2006.

.Biografismo: reflexões sobre as escritas de vida. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

WOLFE, T. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis A2)