A presença do gênero teatral em Tristam Shandy, de Laurence Sterne

Aline Candido Trigo (UEL), Luciana Brito (UENP)

Resumo


Moderno e experimental, o romance A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy, produzido no século XVIII pelo pastor irlandês Laurence Sterne, dialoga com os demais gêneros literários e apropria-se de diversas vertentes narrativas a fim de criar uma composição híbrida. O narrador-autor, Tristram Shandy, informa que para narrar sua vida e suas opiniões fará uso da estrutura do gênero romance. Porém, sua afirmação é irônica, na medida em que subverte o gênero em questão, misturando outras formas a sua estrutura, como é o caso do diálogo com o gênero dramático. Diante disso, o presente trabalho analisa as relações que Sterne estabelece com o gênero teatral em Tristram Shandy, e de que modo características do gênero dramático são evidenciadas no texto. A partir de teóricos como Emil Staiger e Mikhail Bakhtin é possível conceber essa aproximação entre gêneros literários, algo impensável à época de Sterne e hoje um dialogismo inevitável.


Texto completo:

PDF - p. 166-177

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. Aurora Bernardini et al. 4 ed. São Paulo: Editora UNESP, 1988.

BERTHOLD, Margot. História Mundial do Teatro. Trad. Maria Paula Zurawski et al. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BOILEAU, Nicolas. A arte poética. Tradução de Célia Berretini. São Paulo: Perspectiva, 1979.

CARLSON, Marvin. A França do século XVII. Teorias do teatro. São Paulo: Editora da UNESP, 1997, p. 87-107.

DALLENBACH, Lucien. Intertexto e autotexto. Poétique. Trad. Clara Crabbé Rocha. Revista de teoria e análise literárias. Intertextualidades. nº27. Coimbra: Livraria Almedina, 1979.

LLOSA, Mario Vargas. A verdade das mentiras. Trad. Cordélia Magalhães. São Paulo: Arx, 2004.

LUCKACS, George. Teoria do romance. Lisboa: Presença, 1963.

HUGO, Victor. Do grotesco e do sublime. Trad. Célia Berretini. São Paulo: Perspectiva, 2007.

GAMA-KHALIL, Marisa Martins. Os espaços do leitor ficcionalizado: nas teias dialógicas de Henry Fielding e Laurence Sterne. Itinerários, Araraquara, n. 37, p.141-154, jul./dez. 2013.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

NOGUEIRA, Nícea Helena de Almeida. Laurence Sterne e Machado de Assis: a tradição da sátira menipéia. Rio de Janeiro: Edições Galo Branco, 2004.

PAES, José Paulo. Sterne ou o horror à linha reta. In.: STERNE, Laurence. A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. Trad. J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. 3 ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PAZ, Octavio. Signos em rotação. 2 ed. São Paulo: Perceptiva, 1976.

PRADO, Decio de Almeida. A personagem no teatro. In: CANDIDO, A. et al. Personagem de ficção. 3 ed. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ROSENFELD, Anatol. Reflexões sobre o romance moderno. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1973.

ROUANET, Sergio Paulo. Riso e melancolia: a forma shandiana em Sterne, Diderot, Xavier de Maistre, Almeida Garret e Machado de Assis. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

STAIGER, Emil. Conceitos fundamentais da poética. 2ª ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993.

STERNE, Laurence. A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy. Trad. José Paulo Paes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo: Cia das Letras, 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis A2)