Funções de é claro/claro em usos parentéticos

Solange de Carvalho Fortilli (UFMS)

Resumo


Investigamos construções em que a expressão é claro ou claro, posicionada fora da estrutura do enunciado, é capaz de modificá-lo como um todo, em um comportamento chamado de parentetização. É objetivo deste trabalho analisar as diferentes funções da expressão, verificando de que modo ela incide sobre termos específicos da frase e/ou sobre toda a interação e como essas possibilidades convergem para a ocorrência do fenômeno da Gramaticalização (GR). Assim, neste trabalho, procuraremos analisar suas funções semântico-pragmáticas, a partir dos aspectos: posição em relação à oração escopada, função semântico-pragmática da expressão e pistas prosódicas. O corpus consiste em textos que compõem o caderno Ilustrada da versão online do jornal Folha de São Paulo (FSP). O desenvolvimento dos estudos de GR, de maneira geral, assenta-se na ideia de que a mudança é motivada por um complexo de interesses e necessidades discursivas e pragmáticas, objetivando uma maior expressividade da língua. Nesse sentido, os itens que analisamos reforçam sua expressividade ao marcarem não só os traços semânticos que originalmente portam, mas também a polifonia nos enunciados, pontuando as informações que diferentes interlocutores negociam e constroem juntos

Texto completo:

PDF - p. 116-129

Referências


BYBEE, J. Mechanisms of changes in grammaticalization: the role of frequency. In: JOSEF, B.; JANDA, R. (eds.) The handbook of historical linguistics. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

CASTILHO, A. T., CASTILHO, C.M.M. Advérbios modalizadores. In: ILARI, R. Gramática do português falado. Vol II: Níveis de análise linguística. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

DIK, S. The Theory of Functional Grammar. Part I: The Structure of the clause. Berlin: New York: Mouton de Gruyter, 1997.

FOLHA DE SÃO PAULO on line. Caderno Ilustrada. São Paulo. Disponível em: www.folha.uol.br. Acesso em julho de 2011.

FORTILLI, S. de C. Predicados matrizes adjetivais de orações subjetivas no Português brasileiro: gramaticalização e dessentencialização. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Letras, São José do Rio Preto, 2013.

HOPPER, P., TRAUGOTT, E. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

MARTELOTTA, M. E.; VOTRE, S., J. ; CEZARIO, M. M. (Orgs). Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, 1996.

HEINE, B.; CLAUDI, U.; HUNNEMEYER, F. Gramaticalization: a conceptual framework. London: University Chicago Press, 1991.

GONÇALVES, S. C. L. Gramaticalização, modalidade epistêmica e evidencialidade: um estudo de caso no português do Brasil. 250f. 2003. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

MARTÍN ZORRAQUINO, M. A., PORTOLÉS, J. Los marcadores del discurso. In: BOSQUE, I., DEMONTE, V. (eds.), Gramática descriptiva de la lengua española. Tomo 3º,

Madrid: Espasa Calpe, 1999.

SCHNEIDER, S. Reduced Parenthetical clauses as mitigators. A corpus study of spoken French, Italian and Spanish. Amsterdam: John Benjamin Publishing Company, 2007.

SOARES, A. Moderníssimo dicionário brasileiro. São Paulo: Angelotti, s/d.

THOMPSON, S.; MULAC. A. A quantitative perspective on the grammaticalization of epistemic parentetical in English. In: TRAUGOTT, E.; HEINE, B. (orgs.). Approaches to grammaticalization. Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1991

TRAUGOTT, E.C., DASHER, R. B. Regularity in semantic change. Cambridge: Cambridge University Press: 2001.

TRAUGOTT, E. C. (Inter)subjectivivity and intersubjectification: a reassessment. In: CUYCKENS, H.; DAVIDSE, K.; VANDELANOTTE, L. (Ed.). Subjectification, intersubjectification and grammaticalization. Berlin: Walter de Gruyter, 2010, p.29-71.

___. From subjectification to intersubjectification. In: HICKEY, R. Motives for Language Change. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2003. p. 124-139.

___. Subjectification in grammaticalization. In: STEIN, D.; WRIGHT, S. (eds.) Subjectivity and subjectivisation. Cambridge: Cambridge University Press, 1995, p. 31-54.

___. On the rise of epistemic meanings in English: an example of subjectification in semantic change. Language, v.65, n. 01, 1989.

WICHMANN, A. SIMON-VANDERBERGEN, A. M., AIJMER, K. How prosody reflects semantic change: A synchronic case study of of course. In: CUYCKENS, H.; DAVIDSE, K.; VANDELANOTTE, L. (Ed.). Subjectification, intersubjectification and grammaticalization. Berlin: Walter de Gruyter, 2010. (Topics in English Linguistics, 66).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis A2)