A FICÇÃO DO PORTUGUÊS

Tatiana Batista ALVES (Colégio Pedro II)

Resumo


RESUMO: O artigo analisa como a obra Casa-grande & senzala, de Gilberto Freyre, representa o português colonizador do Brasil. Ao relatar minuciosamente a formação do povo lusitano e sua aptidão para a miscigenação, o autor Gilberto Freyre transcende os discursos oficiais da época e constrói um personagem empreendedor e contemporizador, que se destaca positivamente dos demais colonizadores europeus. Por sua vez, o português colonizador também
inventa a imagem da sociedade brasileira- a ficção da ficção. Ao afirmar que a nossa colonização formou uma sociedade e uma cultura híbridas, o autor não se esquece de apontar para o caráter híbrido do português, no que diz respeito as suas origens. Análise polêmica, que recebe críticas severas ao longo dos anos, a obra é também um das maiores contribuições para o entendimento da formação da sociedade
brasileira patriarcal e escravocrata.

PALAVRAS-CHAVE: Ficção. Ciência. Português. Colonização.
Sociedade.

ABSTRACT: The article examines how Casa-grande & senzala,
Gilberto Freyre, represent the portuguese colonizer of Brazil. To thoroughly report the formation of the lusitanian people and their ability to miscegenation, the author Gilberto Freyre transcends the official discourse of the time and builds an entrepreneur and temporizing character that stands out positively from the other European colonizers. In turn, the Portuguese colonizers also invents the image of brazilian society - fiction from fiction. To say that our colonization formed a partnership and a hybrid culture, the author
does not forget to point to the hybrid character of the Portuguese, regarding its origins. Controversial analysis, which receives severe criticism over the years, the work is also a major contribution to the understanding of the formation of patriarchal slavery and brazilian society.

Keywords: Fiction. Science. Portuguese. Colonization. Society.


Texto completo:

PDF - P. 316-336

Referências


ARAÚJO, Ricardo Benzaquén de. Guerra e paz:Casa-grande & senzala e a obra de Gilberto Freyre

Nos anos 30, 2ª ed., São Paulo: Ed.34, 2005.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na idade média e no renascimento:o contexto de François

Rabelais. (trad. Yara Frateschi), 4 ed. São Paulo:Hucitec/Brasília:EDUNB, 1999.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime e economia

patriarcal. 36ª Ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

_______________.“Fatos isolados e fatos relacionados”. Diário de Notícias. Rio de Janeiro,

/04/1950. (Disponível na Biblioteca virtual Gilberto Freyre – http://bvgf.org.br)

MCNEE, Malcolm K. “O sublime e o monstruoso: a poética nacional-monumental de Gilberto Freyre e Francisco de Oliveira” [Comunicação para a ABRALIC, Simpósio: Leituras multidisciplinares sobre o topos e seus sentidos na contemporaneidade, Rio de Janeiro/UERJ:Abralic, 4 de agosto de 2006].

ROCHA, João Cezar de Castro. “Gilberto Freyre e a escola paulista” in. O exílio do homem cordial. Rio de Janeiro:Museu da República, 2004.

BIBLIOGRAFIA:

ADORNO, Theodor W. “O ensaio como forma” in. Notas de Literatura I (trad. Jorge de Almeida), (coleção Espírito Crítico), São Paulo: Duas cidades, 34. eEd. , 2003.

ARAÚJO, Ricardo Benzaquén de. Guerra e paz:Casa-grande & senzala e a obra de Gilberto Freyre

Nos anos 30, 2ª ed., São Paulo: Ed.34, 2005.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na idade média e no renascimento:o contexto de François

Rabelais. (trad. Yara Frateschi), 4 ed. São Paulo:Hucitec/Brasília:EDUNB, 1999.

BURKE, Peter. A Escola dos Annales (1929 – 1989): a revolução francesa da historiografia. (trad.

Nilo Odalia) São Paulo: Ed. Unesp, 1997.

COUTINHO, Edilberto. A imaginação do real: uma leitura da ficção de Gilberto Freyre, Rio de

Janeiro: J.Olympio; Brasilia: INL, 1983.

FEBVRE, Lucien. “Préface”. In. FREYRE, Gilberto. Maitres et Esclaves. (trad. /Roger Bastide), Paris:Gallimard, 1952.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime e economia

patriarcal. 36ª Ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

_______________.“Fatos isolados e fatos relacionados”. Diário de Notícias. Rio de Janeiro,

/04/1950. (Disponível na Biblioteca virtual Gilberto Freyre – http://bvgf.org.br)

________________. O mundo que o Português criou. (coleção documentos brasileiros), v.28, Rio de

Janeiro: J. Olympio, 1940.

MCNEE, Malcolm K. “O sublime e o monstruoso: a poética nacional-monumental de Gilberto Freyre e Francisco de Oliveira” [Comunicação para a ABRALIC, Simpósio:

Leituras multidisciplinares sobre o topos e seus sentidos na contemporaneidade, Rio de Janeiro/UERJ:Abralic, 4 de agosto de 2006].

PESAVENTO, Sandra Jatahy (org). Leituras Cruzadas: diálogos da História com a Literatura. Porto Alegre: Ed. Da Universidade/UFRGS, 2000.

ROCHA, João Cezar de Castro. “Gilberto Freyre e a escola paulista” in. O exílio do homem cordial. Rio de Janeiro:Museu da República, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis B2)