A EFABULAÇÃO TRÁGICA EM A TRAGÉDIA DA RUA DAS FLORES E OS MAIAS

Luciana Ferreira LEAL (FACCA/UNESP)

Resumo


RESUMO: O artigo discorrerá sobre a efabulação trágica nas obras A Tragédia da Rua das Flores e Os Maias de Eça de Queirós. O Objetivo será o de discutir os elementos constitutivos da fábula trágica, a peripécia, peripeteia, o reconhecimento, anagnorisis, e a catástrofe, sparagmós nas duas obras em questão. O desenvolvimento da intriga,
visto que é descoberta a feição incestuosa dos amores de Victor e Genoveva e de Carlos e Maria Eduarda, se dá de acordo com a efabulação trágica definida por Aristóteles (1973). Tanto na obra A Tragédia da Rua das Flores quanto em Os Maias ocorre a repentina mudança das ocorrências, ocasionando a reviravolta do sucesso à desventura. Em se tratando da catástrofe, ela é mais calamitosa em A
Tragédia da Rua das Flores, uma vez que Genoveva suicida-se, Victor sofre e Timóteo, abatido, morre. Em Os Maias, a catástrofe se limita à separação dos dois amantes e à morte de Afonso da Maia, que não suporta viver em face do incesto dos netos e da insistência consciente de Carlos no engano trágico. Eça de Queirós consegue representar, por meio dos elementos constitutivos da fábula, a sua visão trágica do
homem e do mundo.

PALAVRAS-CHAVE: Fábula trágica. A Tragédia da Rua das Flores. Os Maias.

ABSTRACT: The article will discuss about the tragic storytelling in the books A Tragédia da Rua das Flores and Os Maias, by Eça de Queirós. The objective is to discuss the constitutive elements of the tragic fable, the adventure, the recognition, anagnorosis and the catastrophe, sparagmós in the two books presented. The development of the intrigue happens according to the tragic storytelling defined by Aristotle as the incestuous affection of Victor and Genoveva and Carlos and Maria Eduarda are discovered. In both books A Tragédia
da Rua das Flores and Os Maias, there is a sudden change in the occurances, causing a turnaround from success to misfortune. About the catastrophe, it is more calamitous in A Tragédia da Rua das Flores, because Genoveva commits suicide, Victor suffers and Timóteo, miserably dies. In, Os Maias, the catastrophe is limited to the separation of the two lovers and to the death of Afonso da Maia, who could not live after the incest of his grandchildren and the conscious insistence of Carlos in his tragic mistake. Eça de Queirós can represent, through constitutive elements of the fable, his tragic point of view of the men and the world.

KEYWORDS: Tragic fable. A Tragédia da Rua das Flores. Os Maias


Texto completo:

PDF - P. 297-315

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

BERRINI, B. O incesto: traço romântico da ficção queirosiana? In: EÇA E OS MAIAS: CEM ANOS DEPOIS. Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Actas do 1º Encontro Internacional de Queirosianos. 1 ed. patrocinada por Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Eng. António de Almeida. Porto: Asa, 1990. p. 31-38.

BUESCU, M. L. C. O regresso ao “Ramalhete”. In: ______. Ensaios de Literatura Portuguesa. Lisboa: Presença, 1986. p. 104-119.

FLORY, S. F. V. A semiologia dos objetos e a configuração do trágico em Os Maias. 1983. 191f. Dissertação (Mestrado em Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 1983.

LESKY, A. A tragédia grega. Tradução de J. Guinsburg, Geraldo Gerson de Souza e Alberto Guzik. São Paulo: Perspectiva, 1996.

LIMA, I. P. de. As máscaras do desengano. Para uma abordagem sociológica de Os Maias de Eça de Queirós. Lisboa: Caminho, 1987.

LISBOA, M. M.. Teu amor fez de mim um lago triste. Ensaio sobre Os Maias. Porto: Campo das Letras, 2000.

NIETZSCHE, F. A origem da tragédia. Tradução de Álvaro Ribeiro. Lisboa: Guimarães Editores, 1996.

REIS, C. Perspectivação e crise do Naturalismo: Os Maias. In: ______. Estatuto e perspectiva do narrador na ficção de Eça de Queirós. 3. ed. Coimbra: Almedina, 1984. p. 115-153.

ROSA, A. M. da.Eça, discípulo de Machado? Um estudo sobre Eça de Queirós. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1963.

SARAIVA, A. J.; LOPES, Ó. Realismo e Naturalismo; Alguns aspectos do romance realista queirosiano. In: ______. História da Literatura portuguesa. I Das origens ao Romantismo. Histórias das grandes Literaturas, VIII. Literatura Portuguesa. v. 1, Lisboa: Estudios Cor, S.A.R.L., 1966, p. 202-209; 246-248.

SOARES, E. M. de J. S. O trágico em Bernardo Santareno. 1996. 166f. Dissertação (Mestrado em Literatura Portuguesa) – Faculdade de Letras de Coimbra,Universidade de Coimbra. Coimbra, 1996.

VALÉRIO, Elisa. Os Maias de Eça de Queirós. Lisboa: Editorial Presença, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis B2)