O personagem Chico Bento como recurso didático e o que ele revela sobre os conhecimentos de variação linguística de professores e futuros professores

Taís Bopp da Silva (UFPel), Taíse Simioni (UNIPAMPA)

Resumo


A variação linguística é uma realidade inegável em qualquer língua. A maneira como ela é abordada no ensino é uma questão que precisa ser debatida, uma vez que, embora os conhecimentos teóricos na área sejam consistentes, suas contribuições para o ensino ainda precisam ser ampliadas, como defende Faraco (2008). Partindo destes pressupostos, procedeu-se a uma pesquisa da qual participaram alunos em início e em final de um Curso de Licenciatura em Letras e alunos de um Mestrado Profissional, totalizando 42 participantes. Foi entregue aos discentes uma tira de Chico Bento e foi solicitado que elaborassem uma proposta que abordasse tal texto no contexto de sala de aula. O objetivo com tal atividade foi o de verificar o domínio dos participantes em relação às teorias sociolinguísticas e sua capacidade de aplicá-las à análise de dados. Foi possível perceber que os participantes apresentam uma maior mobilização de conceitos relacionados à variação linguística à medida que avançam em sua formação. Não foi possível perceber, entretanto, tal progresso no que diz respeito à sua capacidade de proceder a uma análise linguística dos dados. Tais resultados nos levam a defender a necessidade de os cursos de formação de professores ampliarem suas atividades de análise linguística.

Texto completo:

PDF - p. 130-148

Referências


BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolingüística e educação. São Paulo: Parábola, 2005.

COELHO, Izete Lehmkuhl et al. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.

CYRANKA, Lucia F. Mendonça. A pedagogia da variação linguística é possível? In: Zilles, Ana Maria Stahl; Faraco, Carlos Alberto (orgs.) Pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola, 2015. p. 31-51.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.

GERALDI, João Wanderley. Práticas de sala de aula. In: Geraldi, João Wanderley (org.) O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2006.

GONZÁLEZ, César Augusto. Variação linguística em livros de português para o EM. In: Zilles, Ana Maria Stahl; Faraco, Carlos Alberto (orgs.) Pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola, 2015. p. 225-245.

GÖRSKI, Edair Maria; COELHO, Izete Lehmkuhl. Variação linguística e ensino de gramática. Working Papers em Linguística, v. 10, n. 1, p. 73-91, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/workingpapers/article/view/1984-8420.2009v10n1p73. Acesso em: 30 jul. 2015.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

LIMA, Ricardo Joseh. Variação linguística e os livros didáticos de português. In: Martins, Marco Antonio; Vieira, Silvia Rodrigues; Tavares, Maria Alice (orgs.) Ensino de português e sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014. p. 115-131.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. “O português são dois”: novas fronteira, velhos problemas. São Paulo: Parábola, 2004.

MENDONÇA, Márcia. Análise linguística no ensino médio: um novo olhar, um outro objeto. In: Bunzen, Clecio; Mendonça, Márcia (orgs.) Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006. P. 199-226.

SOARES, Magda. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: Bagno, Marcos (org.) Lingüística da norma. São Paulo: Loyola, 2004. p. 155-177.

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Guavira Letras (PPG-Letras) - ISSN 1980-1858 (Qualis B2)